Yuri Cortez/AFP
Yuri Cortez/AFP

Conheça o Corruptour, o tour da corrupção no México

Ônibus percorre a capital do país levando turistas e moradores a conhecer points conhecidos por protagonizar escândalos de corrupção

Peter Orsi/AP e Redação, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2017 | 02h03

No ano passado, o Viagem publicou uma reportagem sobre o tour pelos points da Operação Lava Jato em Curitiba – que continua em operação, sob reserva. Pois o México também decidiu fazer de seus casos de corrupção um passeio turístico. O país, que está em 123.º lugar no Index de Percepção de Corrupção da Transparência Internacional (o Brasíl é o 79.º entre 176) agora conta com o Corruptour. Em operação desde 5 de fevereiro, um antigo ônibus adaptado percorre a Cidade do México levando turistas e (também moradores) a lugares onde ocorreram conhecidos casos de corrupção no país. 

“O objetivo é despertar a consciência dos mexicanos sobre esse grave problema que parece estar em expansão”, diz Tania Sánchez, uma guia voluntária de 44 años. “É informar às pessoas as práticas de corrupção e ilustrá-las com esses locais, mas de uma maneira divertida.” 

Embora esteja estreando na Cidade do México, o Corruptour começou em 2014 em Monterrey, ao norte do país. Os passeios são financiados por doações provadas e por um aporte inicial de 100 mil pesos (cerca de R$ 15 mil). Durante o percurso de 1h30, uma gravação relata com humor as histórias por trás de cada uma das dez paradas. Os guias convidam os passageiros a compartilhar suas próprias experiências com a corrupção e a revisar estratégias para combatê-la. Também tenta persuadir pedestres e motoristas para gritar, em coro:  “No más corrupción!”. 

O elemento mais notório do tour, que tem 10 paradas, é a Casa Branca, mansão avaliada em US$ 7 milhões e projetada ao gosto do presidente Enrique Peña Nieto, mas que não estava  no nome de ninguém de sua família, e sim de uma construtora conhecida por ganhar contratos de obras públicas. Não se passa em frente à casa – os guias dizem que está longe demais do ponto de partida, o Museu Nacional de Antropologia. Em vez disso, o ônibus circula pelo bairro luxuoso enquanto os passageiros ouvem detalhes sobre o caso.  

Outros pontos ilustres são o Instituto Mexicano do Seguro Social, protagonista de supostos casos de superfaturamento e enriquecimento ilícito de funcionários; o Senado; a Procuradoria Geral do Distrito Federal; uma das instalações da Televisa, o maior império televisivo do país; e o monumento em homenagem aos 43 estudantes desaparecidos em 2014 no Estado de Guerrero, no sul do país, a mando de policiais supostamente vinculados a cartéis de traficantes de droga.

O tour  sai aos domingos, às 15 e às 17 horas e é preciso fazer reserva pelo site. 

 

Mais conteúdo sobre:
Americas México Cidade do México

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.