Contagem regressiva na base espacial

Turistas podem acompanhar os lançamentos das naves na Flórida; este ano, há apenas mais duas saídas

Kate Murphy, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2010 | 02h43

THE NEW YORK TIMES

A multidão toda olhava na mesma direção, esperando por algum sinal dos céus, quando a voz de um alto-falante anunciou: "Nove minutos para a contagem regressiva". Depois de vários alarmes falsos, os sistemas estavam finalmente prontos para o lançamento do ônibus espacial. Pais com filhos vestidos de astronautas não podiam mais conter a excitação.

Aos "2 minutos, 55 segundos", houve um suspiro coletivo quando a tampa da nave se retraiu, como se ela acenasse com seu chapéu um sinal de adeus. Não demorou muito para uma explosão de chamas acompanhada de um estrondo fazerem a terra e todos os corpos vibrarem. Com olhos arregalados e maxilares caídos, muitos expectadores nem se lembraram de tirar fotos.

O lançamento de um ônibus espacial é uma experiência única e há apenas mais duas oportunidades para sentir a adrenalina ainda este ano.

Os últimos lançamentos do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, estão previstos para 29 de julho, saída do Discovery, e em novembro (sem data definida), quando parte o Endeavor. Visitantes devem ir preparados: 60% das vezes o lançamento é interrompido por motivos climáticos ou problemas técnicos.

"Você tem de ser flexível e segurar o nervosismo", disse Todd Sears, que viu a saída de um ônibus ser adiada por cinco dias consecutivos antes de partir em órbita. "Quase desisti, mas quando o vi na plataforma com todos os holofotes, sabia que me arrependeria. Valeu a pena insistir."

Há dois pontos para visualização no local. O Kennedy Space Center Causeway, a 11 quilômetros da rampa, do outro lado do Rio Banana, com direito à reflexo do foguete nas águas. E o Visitor Complex, que fica à mesma distância da plataforma.

Em Titusville, a 24 quilômetros do K. Center, as opções são o Astronaut Hall of Fame ou o Parque Space View, que vira uma colcha de retalhos com cobertores espalhados, pessoas cochilando ou jogando cartas enquanto aguardam o espetáculo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.