Alain Doire/Bourgogne Tourisme/Divulgação
Alain Doire/Bourgogne Tourisme/Divulgação

Culinária e história revelam alma da capital

Ponto de partida, Dijon conquista pelas famosas mostardas e pelo esplendor do legado dos duques

Camila Anauate, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2009 | 02h41

Quer apostar como você conhece a capital da Borgonha? Ou nunca ouviu falar nas mostardas de Dijon? O condimento picante e pastoso, elaborado com os melhores vinhos e sementes da região, consagrou a culinária francesa em pratos clássicos como o moutarde au lapin, o coelho com um cremoso molho de mostarda.

O ingrediente é tão indispensável na cozinha do país que, em 1390, o rei Carlos VI regulamentou a receita básica, que levava também água, sal, ácido cítrico e conservantes. A produção cresceu e se sofisticou ao longo dos séculos. As mais famosas de Dijon, entre elas a Maille, têm Denominação de Origem Controlada, são finas e aromáticas. Estão à venda em qualquer butique ou mercado de rua da Borgonha, seja na versão original ou em mesclas exóticas com açafrão, noz-moscada, raiz-forte, cassis, mel...

Nos restaurantes requintados não faltam receitas à base do condimento. Nem o pain d'épice (com gengibre), outra especialidade gastronômica local.

 

Veja também:

Caminhos da Borgonha

Figurante num jantar black-tie

Tour no castelo de um autêntico conde falido

No mercado, a agilidade do chef recordista em fritar rãs

Abadia secular entre o garfo e a taça

Três estrelas para um santuário gastronômico

Depois de descobrir Dijon pelo paladar, vale conhecer a cidade por sua história. Lá está todo esplendor dos tempos dos duques de Borgonha, que criaram um dos Estados mais poderosos da Europa, com domínios que se estendiam até a Holanda.

Distante 1h40 de Paris (pelo TGV), Dijon é uma boa base para explorar a Borgonha. Mas, antes, reserve dois dias para ver cartões-postais da cidade.

PALAIS DES DUCS

No coração do centro histórico, o palácio foi reconstruído em 1450 por Felipe, O Bom, para refletir a glória da corte. A atual estrutura é do século 17, quando o edifício passou por uma renovação. Hoje, o Palais des Ducs é endereço do Museu de Belas Artes, com obras flamengas e pinturas francesas dos séculos 16 ao 18.

NOTRE DAME E SAINT-MICHEL

São as duas igrejas principais de Dijon. A Notre Dame tem o estilo gótico do século 13, com fachada repleta de colunas. Já a St-Michel, construída entre os séculos 15 e 17, exibe a fachada gótico-flamboyant com detalhes renascentistas.

RUE DE VERRERIE

A rua de paralelepípedos convida a uma agradável caminhada. No quarteirão do velho mercado, repare nas casas com madeirame à vista, típicas da região.

linkInformações: www.dijon-tourism.com

OS TIPOS

linkRoland Dijon: A preparação desse tipo de condimento cumpre à risca todas as exigências que regem a Denominação de Origem Controlada. Produzida com água, sementes, vinagre e sal marinho, é considerada 100% orgânica

linkMaille: É, sem sombra de dúvida, a versão mais conhecida das mostardas de Dijon. Tem como principais características ser picante, ácida e bastante aromática. O ingrediente entra na composição de pratos da alta gastronomia, com destaque para carnes e molhos

linkGrey Poupon Dijon: Tem paladar notadamente picante. O condimento é produzido com sementes selecionadas e leva vinho da região da Borgonha. Também é clara e cremosa

Mais conteúdo sobre:
Viagem Borgonha França vinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.