Curta a cidade à sua maneira

Faltam só três dias para a cerimônia de abertura dos Jogos e esta coluna chega ao fim. Assim como os milhares de sinais em pink que tomaram conta da cidade e servirão de guia até os endereços das partidas, espero que os textos aqui publicados ajudem a descobrir um pouco da capital além do evento. Enquanto a maioria dos londrinos segue aflita com a quantidade extra de pessoas circulando por aqui, eu me apaixonei por Londres novamente, revendo lugares e conhecendo outros. Aqui, as últimas dicas.

ANA , GASSTON, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2012 | 03h13

O tempo instável pode interferir na sua programação. Ou não. Empresas que fazem tours pela cidade deixam claro que os passeios são realizados mesmo com chuva - e os ingleses não se importam em se molhar. Por isso, caminhe sempre que puder e viaje overground: no andar de cima de um ônibus ou em um trem DLR que passe entre os arranha-céus de Canary Wharf, com direito a uma paradinha nas docas.

Não tenha pressa ou receio de se perder; becos e estreitas passagens guardam boas surpresas, como o pub mais velho da cidade, o Ye Olde Cheshire Cheese. Explore também os labirintos de concreto que ligam centros culturais que formam o Barbican Centre, na London City, e o Southbank Centre, ao sul do Rio Tâmisa.

Algumas de suas novidades podem ser vistas de qualquer ponto da capital, como o recém-inaugurado edifício The Shard, onde turistas poderão curtir a panorâmica do alto de seus 310 metros a partir de fevereiro de 2013. Até lá, opte por escalar o Monumento ao Grande Incêndio de Londres, do outro lado do rio, bem na frente do gigante de vidro. Com mais de três séculos de diferença, os dois marcos mostram deliciosos contrastes da capital, que ficam mais evidentes do alto: repare na moderna sede da prefeitura e na Torre de Londres, também em margens opostas.

Há atrações subterrâneas, como as ruínas de um anfiteatro romano do século 2o, preservadas na Guildhall Art Gallery, e o The Tanks, novo espaço dedicado a live art da galeria Tate Modern, onde vale enfrentar filas para assistir às concorridas exibições dos maiores artistas modernos do mundo. Ou simplesmente se sentar no chão do Turbine Hall para admirar sua imensidão.

Entre um passeio e outro, coma em um restaurante de um chef mundialmente famoso ou se aventure pelos mercados espalhados pela cidade, onde se pode provar pratos exóticos de lugares distantes. Londres é para todos os gostos, bolsos, cores e idades; ela é o que você quiser e por isso, talvez, seja tão difícil deixá-la. Boa viagem.

*É jornalista, paulistana e

vive em Londres há 10 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.