Curvas das montanhas ocultam vilas pitorescas

Cavernas etruscas, gueto judaico, terra de Alfredo Volpi e até praia são surpresas de um lugar encantado

Natália Zonta e Marcia Glogowski, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2009 | 02h46

Mesmo depois de um mês na Toscana o viajante pode esbarrar em placas com nomes de cidades que não imaginava existir. É possível que nem os moradores conheçam todas as vilas pitorescas ocultas entre as curvas das montanhas. Deixe-se levar pelas boas surpresas da estrada. E dedique algumas horas (ou até mais) quando cruzar com os lugares a seguir.

 

Banho quente: curso d'água forma cascatas e piscinas naturais

SATURNIA

Quando você pensa que a natureza da Toscana reserva apenas rochas, campos e montanhas, surgem no caminho as águas quentes e sulfurosas da pequena Saturnia. O rio que corta a cidade acompanha os altos e baixos do relevo, formando pequenas cascatas e piscinas ao longo de seu curso.

 

Veja também:

linkPrazeres da ensolarada Toscana 

linkO clima medieval de San Gimignano 

linkFlorença, a mais perfeita obra renascentista da Europa 

linkEncontro com o passado do outro lado da Ponte Vecchio 

linkAnimação ao redor do câmpus 

linkNas garrafas, o melhor da paisagem 

linkReceitas simples para saborear com os amigos 

linkEscolha um roteiro para descobrir a região  

De manhã até a tarde, as águas são frequentadas por adultos e crianças. À noite, jovens se reúnem para nadar e cantar. Os hotéis também aproveitam a existência dessas fontes e oferecem piscinas termais e tratamentos estéticos.

PITIGLIANO

Você quase perderá a respiração quando esse vilarejo surgir depois de uma curva da estrada. Preservado desde a Idade Média, foi construído no alto de uma montanha, como muitas outras cidadezinhas da região. Até aí, nenhuma novidade. Mas entre as construções e a montanha há fileiras de cavernas etruscas, abertas à visitação.    

Pitigliano tem, ainda, o gueto mais bem conservado da Itália. E se orgulha de ter sido o lugar de maior integração com a comunidade judaica na época feudal. Tanto que em La Piccola Gerusalemme, como é conhecido o gueto, surgiu uma culinária específica, que mescla influências italianas e judaicas.

GROSSETO

A maior cidade da porção mais ao sul da Toscana não tem tantos atrativos na área urbana, mas é uma ótima base para começar a explorar os arredores. De lá fica fácil chegar ao Parco Naturale della Maremma (www.parco-maremma.it), onde está uma das praias mais belas da Itália - sim, elas existem na Toscana. E também à pequena Garavicchio, cidade do Il Giardino dei Tarocchi (Jardim do Tarô), conjunto de esculturas inspiradas nas cartas, assinadas pela escultora Niki de Saint Phale, que morou por dez anos na Toscana.

LUCCA

Muralhas maciças protegem as construções medievais e impedem que carros circulem no centro. Terra natal do pintor ítalo-brasileiro Alfredo Volpi (1896-1988), Lucca fascina por suas ruas estreitas e igrejas. San Michele in Foro é um templo religioso que merece atenção. A fachada tem estilo romântico e três fileiras de colunas trabalhadas. As Piazzas Antelminelli e Napoleone também dever ser visitadas, assim como a Via Fillungo, principal rua comercial. Vá ao Anfiteatro Romano, na Piazza del Mercato, para ver os fragmentos da construção romana.

AREZZO

É bem verdade que a 2ª Guerra Mundial destruiu boa parte das construções históricas de Arezzo. Mas a cidade superou problemas como esse e se firmou como uma das mais ricas da Toscana, graças à produção de joias. As avenidas são largas sem afetar tanto um certo clima de antigamente da paisagem. As atrações famosas são os delicados afrescos da Igreja de San Francesco e a bela Piazza Grande, contornada por arcadas e pelo Palazzo della Fraternità dei Laici.

SCANSANO

O vinho Morelino di Scansano, um dos mais conhecidos da Itália, é fabricado nessa cidadezinha. Vinhedos e oliveiras compõem a paisagem. No centro histórico, cheio de construções dos séculos 15 e 16, visite o Chiaccio Forte e o Palazzo Vaccarecci, bons representantes da arquitetura local.

Mais conteúdo sobre:
Viagem Itália Saturnia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.