Luiz Raatz|Estadão
Luiz Raatz|Estadão

Explorando o Lago Argentino: passeio gourmet, tirolesas e caminhadas

Durante o inverno, há opções esqui e motos de neve. Já o verão, com o degelo, é ideal para quem gosta de trekking e mountain bike

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

03 Novembro 2015 | 05h00

EL CALAFATE - O segundo dia de passeios pelo Parque Nacional dos Glaciares geralmente é dedicado à navegação no Lago Argentino e à observação de outros glaciares. Ao contrário do Perito Moreno, que se encontra em equilíbrio, os glaciares Upsalla e Zpegazzini estão diminuindo de tamanho. Com isso, o desprendimento de icebergs da parede de gelo é maior.

A operadora MarPatag oferece o passeio na versão gourmet, com degustação de vinhos e pratos elaborados por chefs a bordo, por US$ 315. No cardápio, empanadas com molho criollo, salmão e patês. O vinho malbec é servido à vontade.

O passeio dura 11 horas. Começa às 8h30 da manhã e navega pelo braço norte do Lago Argentino. Inclui um desembarque na Baía das Vacas, local onde os primeiros colonizadores da região tentaram criar gado. Hoje, os animais circulam em estado selvagem pelas encostas do lago.

Uma das paisagens mais bonitas da cidade, o Lago Argentino pode também ser explorado numa excursão 4x4 que segue pela margem até o Cerro Frías, uma estância com atividades de ecoturismo, como tirolesas e caminhadas. A excursão inclui parada para fotos no lago e churrasco preparado à moda criolla numa pequena churrasqueira a gás, com cebolas e pimentões.

Tá quente, tá frio. Durante o inverno, outra atração abre aos visitantes. O Calafate Mountain Park tem como opções esqui e motos de neve. Já no verão, com o degelo, o parque vira uma opção para quem gosta de trekking e mountain bike.

El Calafate tem um Museu do Gelo, um dos mais modernos e interativos do país, que explica a formação dos glaciares na Patagônia com vídeos, mapas e outras ferramentas, além de tentar conscientizar os visitantes para a importância de preservar fontes de água doce e sobre a ameaça de aquecimento global. O museu tem – como não? – bar de gelo climatizado a uma temperatura abaixo de zero, com drinques típicos, entre eles a tradicional fernet branca com coca-cola, uma das bebidas favoritas dos argentinos.

Mas nem só de geleiras vive El Calafate. Há diversos passeios que a cidade oferece, com aventura, observação da natureza e até cavernas pré-históricas. Quem gosta de pedalar pode alugar uma bicicleta na Avenida do Libertador na Patagonia Shop e pedalar na Ruta 11 por 7 quilômetros até as Cavernas de Walichu, uma fazenda onde há pinturas rupestres. Entrada a 100 pesos (R$ 40).

*Viagem a convite do órgão de turismo Mixto El Calafate. 

Mais conteúdo sobre:
El Calafate Argentina Patagônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.