Edivaldo Ugarte
Edivaldo Ugarte

De quadriciclo pelos Lençóis Maranhenses

'Quadri', como é chamado carinhosamente, leva os turistas por aventuras, mas serve como meio de transporte entre os moradores

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

04 Abril 2017 | 04h30

Doses cavalares de adrenalina, em meio a cenários em transformação constante fizeram com que esquecêssemos das significantes 2h30 de viagem entre a península de Caburé e Barreirinhas em cima de um quadriciclo que havíamos aprendido a pilotar naquele mesmo dia, minutos antes da hora da partida.

Na região, andar de quadri, como o veículo é chamado carinhosamente, não é privilégio dos turistas. Depois da moto, talvez seja a forma de locomoção mais popular entre os moradores, que usam qualquer espacinho para transportar de tudo um pouco. Ou seja, pilotá-lo foi, além de uma experiência radical, um mergulho no dia a dia local.

Além disso, também é a melhor forma de conhecer, em uma tarde, as diferentes paisagens que a região reserva: praias, rios, as lagoas dos Pequenos Lençóis, dunas, mata fechada, vilarejos e estrada de terra.

Claro que a destreza das duplas de cada quadri formadas pelo nosso grupo não era exatamente das melhores. O trajeto é repleto de desafios: de grandes dunas a trechos alagados – onde até nosso guia teve de repensar o percurso em certos momentos. 

Mas, a cada riacho atravessado com sucesso, a cada acelerada banco de areia acima, a cada suspiro de alívio após desvios involuntários para o lado errado – o que acontece no quadriciclo, fica no quadriciclo – parecia que nos tornávamos pilotos melhores, mais profissionais, mais destemidos. 

Apesar de o longo passeio que fizemos ser bastante singular e permitir, inclusive, paradas para banhos nas lagoas, há trechos mais curtos. A locação começa em R$ 30 para 15 minutos de passeio – cada minuto extra custa mais R$ 2. Já o trajeto entre Caburé e Barreirinhas custa R$ 350 por quadriciclo. E vale sempre lembrar que menores de 18 anos não podem pilotar – mas saiba que ir na garupa, como fez esta repórter, também oferece uma boa dose de emoção e diversão. 

Mais conteúdo sobre:
Maranhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.