Adriana Moreira/Estadão
Adriana Moreira/Estadão

Decoração clean e calmaria em meio aos néons de Las Vegas

'VIAGEM' avalia

ADRIANA MOREIRA / LAS VEGAS, O Estado de S.Paulo

04 Junho 2013 | 02h09

Lá fora as máquinas caça-níqueis não param de trabalhar e os néons piscam loucamente. Mas basta deixar a jogatina de lado e entrar no Mandarin Oriental Las Vegas para ser inundado por uma tranquilidade imediata. Da música ambiente à decoração clean, tudo é planejado para que o hóspede encontre ali um oásis em oposição à atmosfera sempre efervescente da Cidade do Pecado.

Quarto. A televisão dá boas-vindas personalizadas a cada hóspede. Como de praxe nos hotéis da cadeia, a vista é deslumbrante. Da minha janela, eu via a Strip, a via principal de Las Vegas, e o The Shops at Crystals (ligado ao hotel por uma passarela), centro de compras de luxo com lojas como Tiffany & Co., Fendi, Louis Vuitton, Prada e outros ícones.

À noite, a camareira deixa um chocolatinho no travesseiro como mimo. E para quem esqueceu de trazer alguma leitura, há sempre um livro na cabeceira. Não precisa se preocupar em terminar de ler antes do fim da estada: trata-se de um presente. O banheiro, espaçoso e iluminado, tem TV e amenities Shanghai Tang, luxuosa rede de lojas com origem em Hong Kong.

Piscina. Eis aí o grande diferencial deste hotel. Além de espaçosa e tranquila - nada de pool parties barulhentas por lá - o serviço de piscina, localizada no 8.º andar, é espetacular. Em meio ao calor desértico do verão de Las Vegas, os atendentes passam oferecendo aos hóspedes refrescantes uvinhas congeladas (como nunca pensei em fazer isso em casa?). Um detalhe que demonstra o cuidado e a atenção dispensados a quem se hospeda ali. Quem quiser ser ainda mais vip pode alugar uma das cabanas com frigobar lotado de bebidas não-alcoólicas e uma garrafa de champanhe.

Comer, comer. Esqueça os bufês concorridos. Os restaurantes do hotel seguem o padrão de decoração minimalista e, mesmo sem nenhuma estrela, não decepcionam. O francês clássico Twist leva a assinatura de Pierre Gagnaire, chef com três estrelas Michelin em seu restaurante de Paris. Já o Mozen Bistro, de especialidade asiática, é mais informal - ali é servido o café da manhã.

Valores. Graças à ampla oferta hoteleira da cidade - são mais de 150 mil quartos disponíveis, segundo o Las Vegas Convention and Visitors Authority - passar uma noite neste Mandarin Oriental não vai levá-lo à falência. As tarifas começam em US$ 195 o casal; reserve em mandarinoriental.com/lasvegas.

É difícil colocar um defeito em um lugar repleto de tantos cuidados, mas eu anotaria a falta de conexão Wi-Fi gratuita. A meu ver, cobrar pelo serviço hoje em dia é o mesmo que dar ao hóspede uma conta de luz ao fim da estada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.