Depois da interdição, plano de manejo e novas regras

Desde o ano passado, muita coisa mudou nas regras de visitação do Petar. O parque foi interditado pelo Ibama por dois meses em fevereiro de 2008 e reaberto apenas depois que a Fundação Florestal, órgão ligado à Secretaria Estadual do Meio Ambiente, responsável pela administração, se comprometeu a entregar, em dois anos, um plano de manejo para a área.

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2009 | 03h17

 

Veja também:

mais imagens Personalidades ocultas sob a terra

linkAspecto de vela derretida na bela e acessível Santana

linkFôlego extra para a selvagem Temimina

linkNa Casa de Pedra, o maior pórtico do mundo

linkDesafio com água até o pescoço

"Foi difícil para quem trabalha com turismo", conta o espeleólogo Sérgio Ravacci, da Ecocave. Segundo ele, muitos dos atuais monitores do parque já viveram da extração ilegal do palmito. "Teve gente que preferiu voltar à antiga função ou simplesmente deixou a cidade."

Para reabrir a reserva e diminuir o impacto da medida sobre a população, foi criado um plano de emergência. Ficaram abertas apenas as 12 cavernas mais visitadas, mas com outras regras. Hoje, cada gruta recebe um número máximo de pessoas por dia. E ainda há casos como a da Ouro Grosso, que teve apenas parte de sua área liberada para os turistas - e perdeu o apelo radical, antes seu principal atrativo.

Segundo Maurício Marinho, geógrafo da Fundação Florestal que integra o grupo responsável pelo plano de manejo do Petar, a ideia é que as cavernas voltem a ter o mesmo percurso turístico. "O que muda é a forma de visitar e os equipamentos, para preservar a segurança dos visitantes e as formações das cavernas."

O plano deverá ser entregue entre abril e maio do próximo ano. Depois disso, devem ocorrer mais mudanças na visitação do parque. "É possível que se descubra que determinada caverna precisa ser fechada. Ou que outra pode ter um número maior de visitantes por dia", explica Marinho.

O estudo, que se estende ao entorno do parque, também ajudará a definir o potencial de outras áreas. "O núcleo Caboclos, por exemplo, tem muito a oferecer e é pouco conhecido."A.M.

Atenção para as dicas básicas

linkContrate uma agência ou guia: não é possível entrar no parque sozinho. Os capacetes, itens obrigatórios, são emprestados pelas agências

linkPara entrar nas cavernas, só de calçado fechado (papetes são vetadas). Leve ao menos dois: um estará sempre molhado

linkNão é permitido usar bermudas ou regatas. Calças leves ou leggings são ideais, assim como camisetas dry-fit

linkDentro das cavernas a temperatura fica em torno dos 15 graus - ou até menos. Leve um agasalho, mesmo se o sol estiver a pino

linkVá de mochila. Um par de meias e uma camiseta seca podem ser úteis. Leve lanche, água, protetor solar, repelente e saquinhos extras. Deixe um só para o lixo

linkNão toque ou quebre as formações. Lembre-se que são necessários pelo menos cinco anos para a estalactite crescer 1 centímetro

Mais conteúdo sobre:
Viagem & Aventura Petar caverna

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.