Descobertas de uma visita ao anoitecer

Tours noturnos são uma opção disponível em várias atrações pelo mundo

Mônica Cardoso, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2010 | 03h22

Lanterna. No escuro, explore o Museu de História Natural de Nova York        

 

Longe da luz do dia, até o mais manjado dos monumentos ganha uma aura diferente e pode revelar detalhes e histórias que passaram despercebidos durante uma visita comum. Tours noturnos são uma opção disponível em várias atrações pelo mundo. Na sua próxima viagem aos destinos a seguir, não deixe de reservar algumas horas (e um pouco de energia) para uma esticada turística após o jantar.

Arcos da mesquita

Erguida em 785 e nomeada Patrimônio da Unesco, a Mesquita de Córdoba é um magnífico exemplo da mistura entre as culturas cristã e islâmica. O tour noturno pelo monumento, na Espanha, começa no Patio de los Naranjos, onde um vídeo conta a história do lugar. Em seguida, os visitantes percorrem as salas, que ganharam ambientação, luzes e sons preparados para dar ainda mais destaque aos arcos listrados, às inscrições em ouro e aos ricos mosaicos. O passeio, previsto para começar em setembro, custa 18 euros(R$ 40) - os grupos são de até 80 pessoas. Reservas: catedraldecordoba.es.

 

Na arena

 

Na ausência da lua cheia, um balão de ar quente flutua sobre o Coliseu, iluminando seus arcos.

O roteiro noturno pelo principal monumento de Roma é conduzido por um arqueólogo (em inglês e italiano), que conta as histórias da arena, símbolo do Império Romano. O Coliseu era o palco dos violentos confrontos entre animais e gladiadores e ainda preserva seus túneis e passagens subterrâneas. O passeio ocorre aos sábados, às 21 horas, até 2 de outubro. Custa 15 euros (R$ 34) por pessoa, em grupos de até 40 integrantes. Reserva: turismoroma.it.

Troca de chaves

Com a costumeira pontualidade britânica, a cerimônia da troca de chaves na Torre de Londres ocorre exatamente às 21h53. O ritual inclui vestimenta característica para o chefe da guarda, que traz o lampião e o molho de chaves devidamente trajado com casacão vermelho e chapéu da era Tudor. Durante mais de 700 anos, a tradição foi interrompida uma única vez, na 2ª Guerra Mundial. Na ocasião, o estrondo de bombas derrubou o grupo de guardas, que se levantou, tirou a poeira das roupas e prosseguiu com o ritual. Embora os monarcas não morem mais no palácio, as joias da coroa continuam lá.

 

À luz de velas

 

Quase duas mil velas iluminam o passeio noturno por Petra, na Jordânia. A flauta do beduíno completa o clima de mistério diante do Tesouro, palácio esculpido nas pedras. Às segundas, quartas e quintas-feiras, às 20h30. Ingresso a 12 dinares (R$30). Site: petrapark.com.

 
 
Como na época colonial

 

O trote dos cavalos torna ainda mais charmoso o passeio de charrete pelo centro antigo de Cartagena, na Colômbia, área declarada Patrimônio da Humanidade. Os sobrados coloridos cercados por muralhas são uma volta à época colonial. O preço mínimo é US$ 13 (R$ 23), a partir da Plaza de los Coches ou da Plaza Santa Teresa.
 
 
Cataratas ao luar

 
A luz da lua refletida nas gotículas da Garganta do Diabo forma belos arco-íris durante o passeio noturno pelas Cataratas do Iguaçu. O tour de três horas é feito apenas nos períodos de lua cheia, a partir do lado argentino do parque. Custa 160 pesos (R$ 71). Site: iguazuargentina.com.  

 
Pernoite no museu
 
 
A brincadeira começa quando as portas se fecham e as luzes se apagam. Como no filme, passar uma noite no Museu de História Natural de Nova York é uma promessa de aventura indoor. Para percorrer o acervo de enormes esqueletos de dinossauros, por exemplo, é preciso levar lanterna. Na hora de dormir, olhe para cima: uma enorme baleia azul fica dependurada no teto. Custa US$ 129 (R$227) e inclui lanche e café da manhã. As crianças precisam estar acompanhadas de um responsável. A visita é gratuita para grupos de até seis pessoas. www.amnh.org/kids/sleepovers    
 
Leia também:
 

Mais conteúdo sobre:
visitas noturnas estadão viagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.