Victor Collor
Victor Collor

Dias de vinho e mordomia em Franschhoek e Stellenbosch

Além dos bons rótulos, visita a acervo de arte e coleção de diamantes

Sofia Patsch, FRANSCHHOEK / O ESTADO DE S.PAULO

25 Julho 2017 | 04h29

As vinícolas sul-africanas estão entre as mais badaladas do mundo. Escolhemos passar dois dias na luxuosa Leeu Estates  (diária de R$ 3.500). Escondida em meio às montanhas do Vale de Franschhoek, região perfeita para o plantio das uvas, ela fica em um vilarejo charmoso, a 40 minutos da Cidade do Cabo.

A propriedade, pensada e construída pelo magnata indiano Analjit Singh, é a tradução da sofisticação. Tudo lá é projetado para impressionar. O jardim, de 2,3 hectares, foi inspirado na história do vale, que, antigamente, como toda a África, era o lar de centenas de animais selvagens. Dos estratégicos bancos distribuídos pela propriedade é possível apreciar a vista exuberante das montanhas, além dos pomares de ameixa e dos vinhedos que se misturam às estátuas de bronze do artista Otto du Plessis, uma delas da deusa Diana, da floresta e dos animais. 

Na propriedade são cultivadas as uvas cabernet franc, cabernet sauvignon e cinsault, que podem ser degustadas nos rótulos Mullineux & Leeu Family Wines. 

A casa onde ficamos hospedados é do século 19 e tem herança arquitetônica holandesa, que foi devidamente mantida quando o prédio passou por reformas, em 2012. Atualmente, a casa preserva o antigo em contraponto com o novo, numa mistura de design sofisticado e ambiente descontraído. É na sede que fica o restaurante The Dinning Room, comandado pelo chef Oliver Cattermole, que já passou por diversas casas londrinas antes de apresentar sua gastronomia de fusão, com ingredientes sazonais e orgânicos, para os hóspedes do Leeu. 

Para completar os dias de dolce far niente, aproveitamos a piscina de fundo infinito da propriedade – onde presenciei um pôr do sol inesquecível, que tingiu o céu de tons de rosa – e usamos e abusamos do spa. Definitivamente, a vinícola Leeu Estates foi criada para o descanso do corpo e da alma. 

Para variar, do mesmo dono da vinícola, o restaurante The Marigold é um tradicional indiano que fica na romântica vila de Franschhoek. A charmosa cidadezinha é ótima opção de passeio. Mas atenção: tudo fecha muito cedo na região. Às 23 horas já está todo mundo na cama. Portanto, programe-se para passear e jantar cedo. 

Melhores amigos das garotas. Para quem aprecia luxo, bom gosto, arte e diamantes, outra vinícola que não pode faltar no roteiro sul-africano é a Delaire Graff, que fica na estrada de Helshoogte, em Stellenbosch. O almoço no terraço do Delaire Graff Restaurante, sob centenários carvalhos já amarelados pela chegada do outono, foi inesquecível. Também vale fazer um tour pela extensa coleção de arte e conhecer os famosos diamantes Graff, que ficam expostos em uma sala blindada. 

Também em Stellenbosh, a vinícola Tokara não é apenas lar de algumas das melhores cepas da África do Sul. Lá também é possível degustar azeite extra virgem diretamente da torneira. 

Acompanhamos o processo de fabricação, desde a colheita das azeitonas em belíssimas oliveiras, passando pela moagem e a extração, até se transformar no precioso líquido. A visita termina com a recompensa merecida: confortavelmente instalados em mesas com vista para as oliveiras, degustamos o azeite fresco com ajuda de pão ciabatta quentinho. Divino! 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.