Do Mediterrâneo à aridez de paisagens lunares, contrastes encantadores

Pouco mais de uma hora de voo separa Istambul, a maior cidade da Turquia, da região da Capadócia. Enquanto ficam para trás o clima mediterrâneo e a vista do Mar de Mármara, o clima árido e as famosas paisagens lunares começam a surgir. As formações, conhecidas como chaminés de fada, ficam ainda mais incríveis vistas de cima, em um passeio de balão (leia mais ao lado).

GÖREME, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2012 | 08h23

Trata-se de um lugar de extremos, mas só em temperaturas - que podem variar de 40 graus a 40 graus negativos, a mil metros acima do nível do mar. No humor e na hospitalidade das pessoas, no entanto, ela é constante: o povo é cordial e os turcos levam a sério a arte de bem receber do islamismo. "Lá a gente encontrou pessoas com valores muito tradicionais", contou ao Estado o diretor de Salve Jorge, Marcos Schechtman.

Resultado de um processo de erosão de milhares de anos e de vulcões ativos até alguns milênios antes de Cristo, essa região árida é formada por cidades como Göreme, Nevsehir, Uçhisar, Kayseri e Aksaray. Em Göreme, uma das mais importantes, fica o Museu ao Ar Livre, considerado Patrimônio da Unesco. Uma área com construções do século 10, que incluem pequenos templos entalhados nas cavernas com representações pictóricas dos Três Reis Magos, a crucificação e ascensão de Cristo. E, na Capela Santa Catarina, São Jorge que, segundo consta, teria nascido naquela região.

Ali, pode-se ter uma ideia também do que foi o período da Iconoclastia. Nos séculos 8.º e 9.º, durante o Império Bizantino, rostos das imagens eram apagados para frear o que eles consideravam idolatria.

Outras atrações são as cidades subterrâneas - há de 30 a 40 na Capadócia. Essas áreas serviam como refúgio para os habitantes, que passavam meses confinados quando a região sofria invasões. Elas já existiam desde 1500 a.C, mas o auge da ocupação ocorreu entre os séculos 7.º e 8.º. A partir do século 14, entretanto, começaram a ser abandonadas.

A de Kaymakli, por exemplo, apresenta túneis e mais túneis. Você pode se sentir um tanto claustrofóbico em percorrer o caminho no final: a altura do teto das cavernas vai se tornando cada vez mais baixa (alérgicos, atenção!) e o odor de pó misturado com mofo pode desencadear um festival de espirros. Ainda assim, você vai ter de entrar, ao menos para ter uma ideia de como era o dia a dia das famílias que ali habitavam. Os poços d'água, por exemplo, serviam também como janelas de ventilação.

Acostume-se com o cenário: em Salve Jorge, Zyah, personagem do ator Domingos Montagner, viverá em uma dessas cavernas. Ele vai se envolver com Bianca, uma dançarina, interpretada por Cleo Pires (leia no quadro).

Lojas de artesanato típicos podem ser encontradas ao redor de alguns desses locais e também no centro de cada cidade. No caso de Göreme, a parte central é bem servida por cafés e oferece pontos variados para gastar com souvenirs, pratos decorados e tapeçaria. Não esqueça de pechinchar.

O sonho da caverna própria. E que tal passar a noite em uma dessas cavernas? Não em qualquer uma, claro, mas em hotéis luxuosos, também localizados em Göreme. No Capadoccia Cave Resort & Spa (ccr-hotels.com), você pode optar por quartos de vapor, de neve e de sal, todos ultraconfortáveis. O complexo conta ainda com salas de massagem, tratamentos estéticos e piscina aquecida - no lugar do cheiro de mofo, o ambiente tem um agradável odor de eucalipto. As diárias começam em 249 (R$ 655).

Já o Museum Hotel (museum-hotel.com; diárias a 250 ou R$ 658), na mesma quadra, tem um café e restaurante com uma linda vista para as formações rochosas. E quartos dignos de príncipes, que chegam a ter (pasme) sua própria adega. /M.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.