Divulgação
Divulgação

Do quarto à praia, tecnologia turbina lista de mordomias

Wi-fi é item básico, iPad emprestado virou cortesia: na briga por hóspedes, vale facilitar acesso à rede social na piscina, investiver em biometria e colocar telescópio pertinho da cama

Aryane Cararo, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2013 | 02h10

Check-out com a impressão digital, reunião de negócios a caminho do hotel, acesso ao Facebook na praia, TV no espelho do banheiro e vidro opaco que fica transparente para apreciar a Torre Eiffel. Tudo isso existe nos melhores hotéis pelo mundo. Wi-Fi e banda larga, agora, são itens básicos do pacote tecnológico das boas hospedagens - e iPad é cortesia.

Yotel. No moderninho hotel econômico de Nova York, o banho de tecnologia começa na recepção. Em vez de atendentes, quiosques como os de check-in em aeroporto recebem os clientes - o hotel ressalva que há funcionários para as dúvidas. Fazer tudo sozinho pode ser controverso. Mas o empreendimento acertou no local para guardar a bagagem. O Yobot é um braço mecânico que fica atrás de uma parede de vidro. Basta digitar o tamanho da mala e ele a guarda numa gaveta que lembra a de um cofre. (yotel.com; desde US$ 239 ou R$ 479).

The Connaught. Neste hotel em Londres, a tecnologia está a serviço da diversão. É só pedir no quarto, emprestados, Playstation 3 e Nintendo Wii, além de laptops e celulares. Há filmes em 3D para alugar - os óculos necessários ao efeito vêm junto, claro. Diária desde 630 libras (R$ 1.959): the-connaught.co.uk.

45 Park Lane. Quer segurança e privacidade? A Suíte Penthouse tem controle do elevador por chave. Ver TV no banheiro? Há suítes com tela no espelho e outras com TV à prova d'água. Comando em um toque? Os quartos do londrino 45 Park Lane (45parklane.com; desde 654 libras ou R$ 2.033) têm iPad e são controlados por telas sensíveis. De pedido de refeição a carro, de agendamento no spa a previsão do tempo, controle de música, luz e cortinas.

Hotel Plaza Athénée. Imagine que, relaxando na banheira da suíte Penthouse Eiffel, no oitavo andar do cinco-estrelas em Paris, você toca na opaca janela e o que estava escondido se revela: o vidro fica transparente e aparece a Torre Eiffel. Na suíte Royal, se diverte com TV 3D. Se preza pelo sono, nas suítes Art Decó pode contar com o NightCove, equipamento com a pretensão de fazer dormir melhor. Feito pela Clínica do Sono do Hospital Hôtel-Dieu, tem funções contra o jet lag, soneca e dormir (uma luz vermelha estimula os hormônios do sono e o som das ondas ajuda a desacelerar). No bar, há tablet para escolher a bebida e ainda tentar a sorte no caça-níqueis digital. Mais: plaza-athenee-paris.com; desde 756,50 ou R$ 1.989.

Four Seasons. Para quem vive em ritmo de "tempo é dinheiro", antecipar o check-in via Skype entre aeroporto e hotel - no Beverly Willshire, em Beverly Hills, e no Resort Costa Rica, na Península Papagayo - pode fazer a diferença. Bem como ter reunião no trânsito, o que está em teste pela unidade de Los Angeles, em uma Mercedes para oito passageiros com duas TVs, tomadas, cadeiras giratórias e Wi-Fi.

Na hora de relaxar, a espreguiçadeira do Resort Santa Barbara, na costa da Califórnia, tem suporte de tablet e carregador sem fio. Mais: fourseasons.com; desde US$ 475 ou R$ 951.

Soneva Kiri. Não é em todo lugar que você tem a experiência de assistir a um filme projetado no meio de um lago. Também não é sempre que tem à disposição um planetário a poucos passos de seu quarto - que mostra o céu da Tailândia ou redireciona o telescópio para sua estrela favorita. O tailandês Soneva Kiri (soneva.com; desde US$ 570 ou R$ 1.142) usa a tecnologia para fazer sonhar.

Mais conteúdo sobre:
Viagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.