Doses de adrenalina em terras 'hermanas'

Se há algo que os brasileiros aprenderam a respeitar no país hermano são suas montanhas nevadas. A cada começo de inverno, centros de esqui da Argentina conquistam espaço nos roteiros de férias dos viajantes. E nem o susto do ano passado - quando as cinzas do vulcão chileno Puyehue-Caulle fecharam por quase toda a temporada a região de Bariloche, principal alvo dos brasileiros - foi capaz de desanimar as estações que, ao contrário, trataram de se aperfeiçoar ainda mais para receber os visitantes na temporada atual.

BRUNA TIUSSU, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2012 | 03h12

Só em Bariloche e arredores foram R$ 55 milhões em investimentos em infraestrutura, qualidade no acesso e serviços na montanha. Os outros sete centros do país não ficam para trás: realizaram melhorias em áreas diversas como opções de hospedagem, gastronomia e, principalmente, nas pistas e meios de elevação - o que, de fato, faz a diferença para esquiadores e snowboarders.

Os destinos se espalham de norte a sul. De Mendoza, onde fica a estação Las Leñas, à Terra do Fogo, localização do Cerro Castor. E têm espaço para todo tipo de viajante: do experiente em esportes de inverno, que se aventura montanha abaixo com adrenalina lá no alto, ao iniciante, que quer arriscar seus primeiros deslizes na neve. Para ajudar a escolher qual delas combina mais com seu perfil, confira ao lado mais detalhes de quatro das principais estações do país:

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.