Marius Fuskum/Divulgação
Marius Fuskum/Divulgação

Em Bergen, pitadas de história e um mix de Itaim com Rua Augusta

BERGEN - Se você gosta de história, Bergen é o filé do roteiro do bacalhau na Noruega. No cais do centro, a cidade mantém o Museu da Liga Hanseática (museumvest.no), uma associação de cidades do norte da Europa que mantinha o monopólio comercial na região e, assim, desafiava o poder dos reis da Idade Média. Pode ser tida como embrião do liberalismo, mas quase não aparece nos livros escolares brasileiros.

Bruno Ribeiro , O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2013 | 02h25

O museu faz parte de um complexo que mantém as casas medievais de madeira e explica como era a vida na Noruega: barcos pesqueiros deixavam o bacalhau em Bergen e o trocavam pelas mercadorias que o país precisava. As próprias casas comerciais secavam e salgavam o peixe, que era trocado pelos produtos trazidos nos barcos vindos do sul. Bergen foi a capital da Noruega até o século 13.

Ao lado do Mercado de Peixes, o turista pode comprar, por cerca de R$ 500, um pacote que inclui transporte de trem e ônibus até Gudvangen. E, de lá, seguir de balsa até Flam, passando pelo fiorde Naeroyfjord, patrimônio da Unesco.

Flam é um lugar minúsculo, voltado unicamente para o turismo, com lojas de lembrancinhas e uma cervejaria artesanal. Tão lindo quanto pequeno.

Agora, se você quer mais agito, a noite de Bergen não deixa a desejar. A decoração alternativa dos bares da Skostredet, ou Rua dos Sapateiros, é uma curiosa mistura de Itaim Bibi (nos preços) e Rua Augusta (no ambiente). Fica um pouco acima do Mercado de Peixes, bem perto da região histórica. O serviço é ótimo, com garçonetes sempre simpáticas e atenciosas.

Bergen é famosa também por ser, segundo seus habitantes, a cidade mais chuvosa do mundo. Não é um título muito turístico, convenhamos. Tenha à mão uma jaqueta impermeável.

Quem quiser admirar a região do alto, pode subir o Monte Ulrikem (ulriken643.no) de teleférico ou a pé, mas é bom saber que as trilhas apresentam certo grau de dificuldade e não são recomendadas para quem está fora de forma. A 643 metros sobre o nível do mar, é o ponto mais alto no entorno da cidade. Lá em cima, a estrutura inclui restaurante e café, além de proporcionar uma vista privilegiada de Bergen. Dias nublados podem tornar o passeio decepcionante.

*O repórter viajou a convite do Conselho Norueguês da Pesca. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.