Em Toronto, clima esportivo à moda dos EUA

Quando a Olimpíada de Londres se encerrar, no próximo mês, as atenções esportivas no Ocidente se voltarão para o Brasil (por conta da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016) - e para o Canadá. Entre as duas grandes competições em território tupiniquim, Toronto, principal cidade da província de Ontário, vai receber o Pan-americano de 2015. Para os fãs dos chamados "esportes americanos", aliás, não há opção melhor fora dos Estados Unidos. Não é à toa que Toronto significa "ponto de encontro".

Cláudio Vieira, O Estado de S.Paulo

10 Julho 2012 | 03h06

Uma boa dica é curtir uma tarde de sábado no Rogers Centre (rogerscentre.com) - campo de beisebol do Toronto Blue Jays, único time da milionária Liga de Beisebol (MLB) fora de território norte-americano. Por US$ 30, é possível arrumar um bom lugar de frente para o montinho do arremessador. E se acomode: o jogo provavelmente vai durar o dobro de uma partida do nosso futebol (o soccer local).

Você só não deve ter a sorte de ver um brasileiro em campo - por pouco. Primeiro brasileiro a atuar na MLB, Yan Gomes chegou a jogar oito partidas pelo time canadense nesta temporada, com 22,7% de aproveitamento, antes de ser colocado na reserva - no caso, em uma liga de acesso.

Gomes bateu dois home runs e estabeleceu cinco corridas impulsionadas. Complicou? Você nem imagina do que estamos falando e não entende literalmente nada de beisebol? Fica a dica do pessoal da rádio Estadão ESPN: acesse a apostila que o jornalista Everaldo Marques postou em seu blog sobre o assunto (http://contenti1.espn.com.br/pdf/baseball.pdf). É a chance não apenas de aprender sobre o esporte, mas também de ver uma partida in loco.

Na saída do Rogers Centre é possível seguir pela chamada cidade subterrânea - tanto para comer um lanche quanto para ver lojas. Aproveite para marcar o caminho até o Hockey Hall of Fame (hhof.com; entrada a 17,50 dólares canadenses ou R$ 35). Para quem visita o local sem o necessário conhecimento de causa, pode parecer um museu como outro qualquer. Mas você está falando da maior paixão nacional. Ali, de forma interativa, está toda a história do hóquei.

Em destaque estão os 13 títulos da Stanley Cup do Toronto Maple Leafs. O time da cidade, considerado uma das franquias mais valiosas do esporte, não tem feito grandes temporadas. No entanto, é praticamente impossível obter um tíquete para ver os jogos no Air Canada Centre. Os poucos mais de 18 mil ingressos são mais disputados que o puck (o disco).

Tarefa mais fácil tem quem vai ao mesmo local para assistir aos jogos da liga americana de basquete, a NBA, quando o time da casa vira o Toronto Raptors. Nas horas vagas, o espaço ainda recebe lacrosse (um jogo de "taco" do Hemisfério Norte, com perdão da simplificação) e concertos musicais (U2, Bon Jovi e Madonna já passaram por lá).

Futebol? Sentiu falta de mais algum esporte? Pois em Toronto também se joga futebol americano, embora os times não tenham o sucesso de outras categorias. A equipe local é o Argonauts. Só que o estádio (de novo, o Rogers Centre) enche mesmo é na partida que, anualmente, a equipe do Buffalo Bills manda na cidade canadense. Não entende nada desses esportes também? Pesquise na internet, baixe informações no smartphone ou coloque o manual de cada modalidade ao lado do guia. Só não vale perder o espírito esportivo.

E o nosso futebol? Está bem: há o Toronto FC, fundado em 2006 e caçula da MLS. Tem até estádio (entrada de 35,50 a 105,50 dólares canadenses), no Princes' Boulevard. Mas vá para se divertir e não diga que não avisamos: o Toronto está na rabeira da Conferência Leste. Falta brasileiro...

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.