Encare um programa de índio pertinho da cidade

Manter vivas as tradições de um povo. A Reserva da Jaqueira, uma área de 827 hectares na orla norte de Porto Seguro, nasceu com esse objetivo principal, em 1998. E está aberta à visita dos turistas desde 2000, o que estimula a preservação dos hábitos dos índios pataxós que vivem ali.

PORTO SEGURO, O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2012 | 03h10

Depois de cruzar a balsa sentido Porto Seguro, um percurso de cerca de 15 quilômetros (parte dele, em estrada de terra) leva à reserva. Ali vivem aproximadamente 60 indígenas - na chegada, os visitantes recebem uma aula sobre a cultura do grupo, descendente da aldeia Coroa Vermelha, formada nos anos 1970, também na região de Porto Seguro.

A apresentação é bem pensada para impressionar os "brancos", como eles mesmos se referem aos visitantes. Eles dançam, cantam e, no fim da apresentação, convidam os turistas a entrarem na roda. Não tenha vergonha: já que está lá, aproveite o convite e caia na dança.

Na reserva, os pataxós cultivam plantas medicinais e de uso culinário. É possível aprender sobre os usos de saião, cebolinha roxa, pau-brasil, boldo e babosa, entre outros.

Artesanato não pode faltar em uma aldeia indígena. Eles vendem pulseiras, colares, zarabatanas, enfeites... Leve dinheiro trocado.

Na minha passagem pela reserva, tive ainda a oportunidade de experimentar a culinária local. Um peixe vermelho enrolado em folha de patioba estava queimando na brasa. A carne quase sem tempero, servida com farofa, tinha um sabor suave. Uma boa forma de fechar o passeio. Agências, como a Pataxó Turismo (73-3288-1256), levam ao local. Custa R$ 55, com transporte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.