Endereços de compras para bruxos, novatos ou não

Lucas Frasão, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

07 Julho 2014 | 20h17

É o próprio Garrick Olivaras quem recebe os visitantes em uma sala especial preparada para acomodar 28 por vez na loja de varinhas mágicas do Beco Diagonal. No livro, Hagrid leva Harry até lá para comprar sua primeira varinha. As prateleiras estão abarrotadas de caixotes e os preços variam de US$ 34 a US$ 44. A experiência de compra é, digamos, bastante imersiva. Fica difícil controlar o bolso. 

O proprietário escolhe uma pessoa, que recebe varinhas diferentes e testa alguns feitiços malsucedidos, até que a magia acontece. A atuação é bem convincente. Com uma ressalva: a experiência ocorre em inglês e, se não houver domínio da língua, é melhor nem entrar na fila.

No fim da atração, Olivaras entrega a varinha e você se sente na pele de Harry. É verdade que o preço diminui um pouco a fantasia. Mas, afinal, até o protagonista da saga teve de desembolsar as moedas que sacou em Gringotes para comprar a sua.

Depois, abuse dos poderes mágicos em combinações de movimentos que chacoalham caveiras, destrancam portas e criam faíscas na ponta de uma vela. As brincadeiras estão geralmente em vitrines de lojas e são indicadas por um medalhão no chão, mas podem também estar escondidas pelos dois parques.

Ir às compras, aliás, parece ser a grande aposta no Beco Diagonal. A nova área tem mais lojas do que em Hogsmeade e até uma casa de câmbio do Banco Gringotes, onde é possível trocar dólares por dinheiro de bruxo, alternativa nas transações. 

Uma das lojas mais legais é a Gemialidades Weasley, dos irmãos Fred e George Weasley, que vende brinquedos como as Orelhas Extensíveis, para bisbilhotar conversas alheias. Na Artigos de Qualidade para Quadribol, há uniformes para a prática do esporte (entre US$ 20 e US$ 30), vassouras de plástico (US$ 30) ou uma réplica fiel da Firebolt (US$ 300) – tem pouco mais de dois quilos e um formato peculiar difícil de encaixar na bagagem de volta. Mais à frente, no Beco do Horizonte, a Animais Mágicos vende pelúcias da série, como a coruja Edwiges e o hipogrifo Bicuço.

A experiência não se completa sem passar na Borgins & Burkes, lojinha de adereços sombrios que ajuda a recriar o ambiente da Travessa do Tranco, local importante na ficção por atrair bruxos interessados nas Artes das Trevas e simpatizantes de Lorde Voldemort. A área foi coberta e a baixa luminosidade, aliada à refrigeração do ambiente, ajuda a criar um clima macabro. 

Delícias. Outra boa pedida é a sorveteria Florean Fortescue, que tem dez sabores especiais (de US$ 5 a US$ 13), entre eles o de chocolate com amora. “É o primeiro sorvete que Hagrid compra para Harry”, lembra a atendente, demonstrando conhecimento da história.

No Caldeirão Furado, restaurante inglês, a parada ideal para o almoço. Só não há refrigerante – bruxos não tomam tal tipo de bebida. A cerveja amanteigada, não alcoólica, sim, está lá: deliciosa no início e enjoativa no fim. E há cervejas exclusivas (para maiores de 21 anos). 

Mais conteúdo sobre:
Harry Potter Orlando Viagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.