Divulgação
Divulgação

Endereços de histórias (e tours) assustadores

Enredos e personagens arrepiantes desafiam a lógica e instigam a curiosidade de turistas mundo afora. Confira aqui cinco passeios espantosos

Luiz Fernando Toledo, Especial para o Estado,

28 Outubro 2013 | 15h50

Pode soar estranho, mas o medo é uma sensação que tem o seu quê de atraente. Tanto que o sobrenatural, o desconhecido e o inexplicável são temas recorrentes no cinema e na literatura.

E também no turismo. Histórias e lendas de horror têm o estranho poder de atrair visitantes para os locais onde supostamente ocorreram. Na época do Halloween – o popular Dia das Bruxas dos Estados Unidos – hordas de visitantes seguem para tais endereços. A lotação é garantida. Visitas emocionantes, também.

Lá mesmo nos Estados Unidos, a cidade de Salem, nos arredores de Boston, fica praticamente inacessível na data do Halloween, 31 de outubro – a tal ponto que as estradas de acesso já chegaram a ser fechadas por horas. O Museu das Bruxas de Salem (salemwitchmuseum.com; entrada a US$ 9,50 ou R$ 20) narra a história de obscurantismo e matança que rolou por lá. Veja outros lugares pelo mundo dos quais você vai querer voltar vivo para contar a história.

 

BONECAS MACABRAS

Medo na ilhota mexicana

Ao sul da Cidade do México, nos canais de Xochimilco, um estranho cenário atrai diariamente a atenção de centenas de pessoas: bonecas penduradas em árvores de uma pequena ilha. O aspecto mutilado dos brinquedos reforça o ar macabro. Especialmente à noite, a vista é perturbadora. São comuns os relatos de que elas costumam se virar na direção dos visitantes que se aproximam.

Segundo a lenda, uma menina morreu afogada ali há mais de 50 anos. O zelador Julián Santana Barrera, único morador do local, encontrou, pouco tempo depois, uma boneca flutuando. Decidiu pendurá-la em uma árvore como símbolo do espírito da criança.

Habitantes da região chegaram a trocar bonecas por alimentos cultivados por Barrera. Dizem que o zelador foi encontrado morto no mesmo lugar em que a garota se afogou. A viagem de barco dura de duas a três horas. Custa US$ 20 (R$ 43): isladelasmunecas.com.

 

DOMÍNIOS DO CONDE DRÁCULA

Castelo medieval na Transilvânia

Não foi à toa que o Castelo de Bran (bran-castle.com) ganhou a alcunha de Castelo do Drácula. A construção mais famosa das histórias de horror, imortalizada pelo conto de Bram Stoker, é um dos marcos históricos da Romênia. Ali se conserva o lar de uma sanguinária figura histórica: o príncipe da Valáquia Vlad Tepes, também conhecido como “o empalador”.

Atualmente, os largos espaços da edificação abrigam um museu de armas medievais e um restaurante, o Club Count Dracula. É a oportunidade perfeita para refazer os passos de Jonathan Harker e conhecer o conde de perto.

O enredo do livro é narrado durante a visita, além de informações sobre como surgiram os contos de vampiros. Prepare-se para relembrar o memorável trecho da obra que descreve o local do castelo, no centro histórico de Sighisoara, na Transilvânia, como “um dos lugares mais selvagens e menos conhecidos da Europa”.

Todos os detalhes do castelo remetem ao tempo em que foi construído, no século 14, seja pela imensa porta de carvalho, as inscrições em letras góticas, ou mesmo os túneis secretos. Peças da época estão expostas no museu (brancastlemuseum.ro), além de uma árvore genealógica da família de Vlad. As entradas custam 6 euros (R$ 18). Para fotografar ou filmar, é cobrada uma taxa adicional de 20 euros (R$ 60).

 

MISTÉRIO EM NIAGARA

No subterrâneo, o Túnel do Grito

A visita às Cataratas do Niagara, no Canadá, pode parecer apenas um passeio lindo de cair o queixo, com um ou outro toque radical nas trilhas e tours de barco. Mas é nas imediações que o mistério se encontra.

Em um túnel construído no subsolo de linhas férreas abandonadas repousam lendas que deram ao local o nome de Túnel do Grito. O cenário fez parte do filme A Hora da Zona Morta (The Dead Zone, 1983), adaptação da obra homônima de Stephen King.

Há diferentes versões. Uma delas diz que ali habita o fantasma de uma jovem que morreu com as roupas em brasa. Dizem que quem acender um palito de fósforo entre as paredes do Túnel do Grito será capaz de sentir a presença da menina. Pior: ouvirá seus lamentos.

A empresa Canada Turismo oferece um pacote que inclui também visitas a Montreal, Quebec, Tremblant, Ottawa e Toronto, por um período de 10 dias, a partir de US$ 2 mil.

 

ESTRANHOS BARULHOS

Durma se puder

Não se espante se, ao repousar num dos quartos do Ballygally Castle, no condado de Antrim, na Irlanda do Norte, você for abordado pelo fantasma de Madame Nixon. A mulher viveu por lá no século 19 e costuma caminhar pelo hotel usando um longo vestido de seda. Se ouvir batidas assustadoras à sua porta, pode ser o espírito de Lady Isabel Shaw, mulher de James Shaw, responsável pela construção do castelo no século 17. Conta-se que ele a trancou em um quarto abandonado. Em poucos dias, ela morreu de inanição e o quarto ficou conhecido como “The Ghost Room”. Outra versão diz que Isabel foi envenenada pelo marido por não conseguir gerar um filho homem.

No hotel há uma placa que atenta para a presença do fantasma de Isabel, mas o retrata como um “espírito de amizade”. Mesmo o mais cético que pise em suas dependências, como a senhora Olga Harry, ex-proprietária, assume que há algo estranho por ali. Ela relata casos de visitantes que ouviram ruídos de crianças em vários quartos.

O cenário macabro, fruto de dezenas de lendas irlandesas, forma o pano de fundo de um dos castelos mais antigos e conhecidos da Irlanda do Norte. Fica a 40 minutos do centro de Belfast. A diária custa a partir de R$ 340 em quarto individual.

 

CORREDORES DA TENSÃO

Nas locações de 'O Iluminado'

Dois hotéis têm suas histórias cruzadas com o sucesso cinematográfico de Stanley Kubrick, O Iluminado. O Hotel Stanley, na cidade de Estes Park, no Colorado, trouxe inspiração ao filme. Sua estrutura, criada há um século, soma mais de 2.230 metros quadrados e chama a atenção por si. Não bastasse o histórico de visitas ilustres, como a do político Theodore Roosevelt, o lugar conquistou fama quando estranhos acontecimentos se sucederam por ali.

Conta-se que os sons de crianças se divertindo em corredores onde não havia ninguém e as portas fechando e abrindo sozinhas eram situações constantes ali. Mesmo o site oficial do hotel (stanleyhotel.com; diárias desde US$ 159 ou R$ 350) narra episódios misteriosos, como as aparições do fantasma da governanta Elizabeth Wilson, que morreu em uma explosão de gás no local.

Há boatos de que o escritor Stephen King, responsável pela obra literária que deu origem ao filme de Kubrick, encontrou a inspiração para o livro após um pesadelo com seu filho sendo perseguido nos corredores daquele imenso casarão. Ele estaria no quarto 217, que se tornou o mais requisitado do Hotel Stanley. Até hoje são realizados tours fantasmas pelo local.

Já o hotel Timberline Lodge fica em uma estação de esqui em Hood River, no Oregon, e foi usado nas filmagens externas do filme, fachada que deu vida ao Overlook Hotel da trama. O lugar não conta com roteiros relacionados ao livro, mas compensa por sua história, além de oferecer aconchegantes chalés. As diárias podem chegar a US$ 300 (R$ 658), em quarto duplo. Mais: timberlinelodge.com.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.