Júlio César Barros/Estadão
Júlio César Barros/Estadão

Entre paredes de gelo e pedra

De glaciares às margens do Oceano Pacífico, como o deslumbrante San Rafael, à natureza preservada, porção norte da Patagônia desfila motivos para ser descoberta pelos brasileiros

Júlio César Barros / Especial para o Estado,

31 Dezembro 2012 | 15h12

À medida que o catamarã se aproxima da geleira San Rafael, os estalos ficam mais fortes. Pouco depois, instalados em botes infláveis, os turistas estarão diante de um fenômeno belo e arriscado: pedaços de gelo com tamanhos que variam entre o de um carro e o de um prédio de cinco andares se desprendem do paredão e caem na água. Formam ondas enormes como mostra a foto acima. O estrondo lembra um trovão.

 

Uma das principais atrações da parte norte da Patagônia chilena, que os brasileiros ainda visitam pouco, o glaciar San Rafael tem 2 quilômetros de largura e 80 metros de altura. Fica a 13 horas de São Paulo, divididas em três voos (a Santiago, Puerto Montt e Balmaceda) e traslado à cidade de Puerto Chacabuco, ponto de hospedagem e partida de passeios.

 

A aventura rumo ao Parque Nacional Laguna San Rafael começa cedo, às 7 horas. O catamarã Chaitén (por US$ 420, com café, almoço, petiscos e bebidas) navega entre ilhas desertas com praias virgens e árvores centenárias. São cinco horas de viagem durante as quais não se vê sinal de civilização, casa, estrada ou desmatamento.

 

Uma cachoeira brota na mata, para logo desaparecer na floresta densa. Montanhas nevadas se elevam a mais de 2 mil metros acima do nível do mar. Maciços de rocha e gelo se destacam no horizonte predominantemente verde. Coberto por neve eterna, o vulcão Maca, com silhueta escarpada, lembra um lápis apontado com estilete – cumes pontiagudos são formações recentes. Maca é uma montanha jovem.

 

Fartura.O norte da Patagônia chilena tem clima úmido e frio, com temperatura média de 9 graus ao longo do ano. Entre novembro e fevereiro, os dias são mais quentes – eventualmente, ultrapassam os 20 graus.

 

No interior do Chaitén, o clima é aquecido e animado por música, dança, vinho e frutos do mar – pernas de caranguejo, salmão, camarão. A estrela do passeio é precedida por blocos de gelo cada vez mais numerosos no estreito canal. Icebergs denunciam suas idades pela coloração: quanto mais azulado ou transparente, mais antigo. Muitos têm milhões de anos. Focas-leopardo observam nossa aproximação.

 

Mas só compreendemos a real dimensão de San Rafael quando o guia explica que a massa de gelo que avança sobre o mar é apenas uma pequena porção do Campo de Gelo Norte, um gigante que se estende por mais de 4,5 mil quilômetros quadrados dentro do parque nacional.

 

Depois da navegação nos botes infláveis, os guias ainda servem uísque com pedras de gelo de San Rafael. Perfeito para fechar um dia inesquecível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.