Vitor Fontes/Estadão
Vitor Fontes/Estadão

Entre um jogo e outro, descobertas em série

Está chegando a hora de gritar "Gambarê, Corinthians!" - uma espécie de "Vai, Corinthians" em japonês. Afinal, faltam só oito dias para a equipe estrear no Mundial de Clubes, no Japão, e, segundo a Fifa, pelo menos 10 mil corintianos devem atravessar o mundo para assistir aos jogos do Timão.

ADRIANA MOREIRA, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2012 | 02h10

O que fazer entre uma partida e outra? O que comer? Como se portar em uma terra com costumes tão diferentes? Convidamos o apresentador Serginho Groisman, um apaixonado pelo Corinthians - e pelo Japão, para onde viajou seis vezes em sete anos - para dar algumas dicas a esse "bando de loucos". Com uma agenda apertada de gravações até o fim do ano, Serginho não sabe se vai conseguir ver seu time ao vivo. "Só se for algo em cima da hora", disse. Mas, no fim da entrevista, ele admitiu que a tentação era grande. "Falando com você está me dando mais vontade de ir!"

Comportamento

Silêncio. Segundo Serginho, o choque visual não é tão grande quanto o de comportamento. "No Japão não se grita. As pessoas são muito silenciosas, tudo é muito respeitoso", diz. "Não se pode pegar um bumbo e sair batucando sem permissão, pela rua, para comemorar se a gente for campeão."

Gorjeta. "Não se dá gorjeta, nunca, para ninguém - nem para o porteiro, carregador, taxista...", diz o apresentador. Para o japonês, isso é uma ofensa.

Idioma. Antes de viajar, o apresentador recomenda que se pesquise algumas palavras-chave em japonês. "As pessoas já entendem um pouco mais o inglês, mas, ainda assim, não é em todo lugar." Use o arigatô (obrigado) à vontade e se habitue ao irashai-mase, que será dito à você em sinal de boas-vindas.

Transporte

Na rua. Caminhar, de acordo com o apresentador, é a melhor maneira de descobrir as particularidades da cultura japonesa. Mas as ruas de Tóquio não têm nome - para localizar um endereço, é preciso ter o CEP. "Se você se perder em Tóquio, corre um sério risco de ficar perdido por um bom tempo", brinca Serginho.

Táxi. Leve um cartão do hotel com o endereço escrito em japonês - o taxista dificilmente vai entender sua pronúncia. "Da primeira vez que fui, eu dizia 'Méridien' e o taxista não entendia. Só depois que ele viu o nome escrito soube para onde me levar."

Trem. O transporte público é eficiente e o metrô leva para todo lugar. Os nomes das estações estão escritas no alfabeto ocidental - mas você terá de saber se localizar nas imediações.

Rumo aos jogos

Estádios. Justamente pela eficiência do transporte, Serginho recomenda que os torcedores usem trem e metrô para ir aos estádios. Toyota, palco da primeira apresentação do Timão, fica mais próxima a Nagoya e a cerca de três horas da capital japonesa. Yokohama, onde será a final, está a pouco mais de 30 minutos de Tóquio. Foi ali, aliás, que o Brasil sagrou-se pentacampeão depois de vencer a Alemanha por 2 a 0 na Copa do Mundo de 2002. "Eu estive lá e até o vestiário está preservado, com as camisas dos jogadores da seleção brasileira", conta Serginho. É possível fazer visitas guiadas e ver de perto objetos relacionados à conquista.

Casulos. Festejou demais e perdeu o último trem? Serginho recomenda um hotel-cápsula. Em vez de quartos, esses hotéis têm "casulos", compostos basicamente por uma cama e uma TV, com um espaço onde é possível, no máximo, ficar sentado. "Eles te dão um pijama, uma toalha, você dorme e vai embora no dia seguinte."

Tóquio

Comida. Serginho conta que há inúmeros restaurantes em Tóquio - todos confiáveis. Para economizar, compre pratos no supermercado, sempre frescos e mais em conta que nos restaurantes. E ninguém vai passar fome se não gostar de peixe cru: há de tudo.

Compras. Ginza é um bairro mais sofisticado, com lojas como Gap, Bulgari e outras marcas famosas. Para eletrônicos, Serginho recomenda Akihabara: "Os preços compensam".

Clássicos. Ir ao cruzamento de Shibuya, um dos principais cartões-postais da capital, por onde passam milhares de pessoas todos os dias, é fundamental, segundo o apresentador. "No domingo, recomendo o Yoyogi Park, em Shibuya. Tudo acontece ali: você vê personagens de mangá, bandas tocando, é muito interessante." Serginho destaca também a beleza dos templos, como o Sensoji. Que tal aproveitar a visita e fazer um pedido pelo Timão?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.