Visit Britain/Divulgação
Visit Britain/Divulgação

Está melhorando o tempo todo

LIVERPOOL - Um dos símbolos da renovação de Liverpool nas últimas décadas e responsável por engrossar o número de atrações turísticas da cidade, o Albert Dock concentra uma variedade de museus, galerias, lojas, bares e restaurantes. Como sugere a canção Getting Better, o local "está melhorando o tempo todo".

Renata Miranda, Especial para O Estado de S.Paulo / The New York Times

05 Novembro 2013 | 02h16

Pelo menos 5 milhões de pessoas visitam todos os anos as docas em busca de lazer. É lá que está a filial da Tate em Liverpool (tate.org.uk/visit/tate-liverpool; gratuita), onde são realizadas exposições de arte moderna e contemporânea, além de debates e cursos.

Ali também é possível visitar os museus Marítimo e da Escravidão (liverpoolmuseums.org.uk; ambos gratuitos), com pausa para o almoço em um dos muitos restaurantes do local - quase todos servem o tradicional fish and chips, peixe frito com batatas. Mas o melhor prato que provei, ao menos no critério custo-benefício, foi o servido no Docklands Fish & Chips. A refeição para uma pessoa, acompanhada de uma bebida, saiu por menos de 10 libras (R$ 35).

Além dos museus tradicionais, é no Albert Dock que está o Beatles Story (beatlesstory.com; 15,95 libras ou R$ 56), uma espécie de experiência musical que funciona como um passeio pela história da banda. Seguindo uma linha do tempo, o visitante é conduzido desde a fase dos shows em festas da igreja, passando por dentro de um submarino amarelo, até a separação da banda e os projetos solo de cada um de seus integrantes.

Inaugurado em 1846 e batizado com o nome do príncipe consorte e marido da rainha Victoria, príncipe Albert, o local foi um dos principais pontos de entrada e saída da Grã-Bretanha na época. Após o fim da 2.ª Guerra Mundial, as docas entraram em decadência e foram fechadas em 1972. Somente 16 anos depois o complexo foi reaberto para o público, dessa vez reformulado para atrair visitantes.

O ano de 2013 marca o 25.º aniversário da transformação das docas e a cidade de Liverpool tem uma agenda cheia de eventos programados especialmente para comemorar a data.

Renascimento. O renascimento de Liverpool se tornou mais expressivo a partir de 2008, quando a cidade foi escolhida Capital Cultural europeia. Naquele ano, foi aberto o Liverpool One (liverpool-one.com), um dos grandes projetos recentes de recuperação urbana na Europa, com lojas, restaurantes e diversão aos montes. Na prática, um misto de shopping center a céu aberto e polo cultural.

Vale a pena ainda consultar a programação dos Everyman and Playhouse (www.everymanplayhouse.com), dois teatros situados em pontos diferentes da cidade que costumam ter a agenda cheia de atrações.

Para um tour básico de reconhecimento, os passeios em ônibus com deque superior aberto existem por lá também. Desde 10 libras por pessoa (R$ 35) no site citysightseeingliverpool.com.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.