Évora, romana e deliciosa

O coração do Alentejo remonta aos romanos e à Idade Média. Évora, uma das cidade mais charmosas do país, conquista por seus marcos arquitetônicos, muralha ou história acumulada.

O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2013 | 02h09

Dos tempos mais antigos, permanecem em pé as ruínas do templo romano em homenagem à deusa Diana. Consta que foi construído entre os séculos 2.º e 3.º e que, a partir do século 17, começou a se sedimentar. Hoje, 14 colunas permanecem de pé - e são um marco da cidade.

Na praça do Giraldo, a mais central da cidade, uma fonte de 1571 substituiu a primeira que recebia a água do magistral aqueduto. Cerca de 9 quilômetros de arcos remanescentes da obra de 1537 ainda podem ser vistos. Évora tem ainda 20 igrejas, incluindo a Capela dos Ossos.

Os restaurantes são divinos: Tasquinha do Oliveira, Botequim da Mouraria e Luar de Janeiro valem a visita. No Fialho (Travessa dos Mascarenhas 16), o mais famoso da cidade, você é recebido (após a devida reserva) com uma variedade de entradas - de jamón e queijos a grão-de-bico com bacalhau, salada de polvo, berinjela grelhada, bolinhos, pasteizinhos e outras maravilhas.

Como prato principal, a sopa de cação é uma das especialidades. De lamber os dedos. O atendimento é familiar, carinhoso. Quem comanda o salão é Amor, um dos três irmãos Fialho. / P.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.