Tim Chong/ Reuters
Tim Chong/ Reuters

Férias na esportiva

Fanatismo e paixão correm, chutam e até golpeiam juntos quando se trata de acompanhar seu esporte favorito. Que amante do tênis não sonha em assistir a uma final de Grand Slam? Que louco por lutas não quer acompanhar a batalha pelo cinturão do UFC a poucos metros do octógono? Reunimos aqui os eventos esportivos mais concorridos do ano para você se programar desde já – e conciliar as datas das principais competições com a escolha do seu destino de férias.

Felipe Mortara, O Estado de S. Paulo

31 Dezembro 2012 | 15h26

 

Nesse ponto, os fãs de Fórmula 1 são privilegiados: há 20 oportunidades ao longo do ano, pelo mundo todo, para ver de perto os carros passarem em alta velocidade – a primeira é em Melbourne, na Austrália, de 15 a 17 de março.Mas poucos circuitos contam com o fascínio de Monte Carlo (26 de maio), em Mônaco, no qual a prova é realizada nas ruas da cidade.

 

Ok, convenhamos que conhecer essas curvas de dentro de um carro de Fórmula 1 é uma sensação que poucos vão experimentar na vida. Porém, diversas empresas alugam Ferraris e Lamborghinis para que qualquer um – com ou sem carteira de motorista – possa circular por lá a bordo de um esportivo potente.

 

A Elite Rent oferece diárias numa Ferrari California a partir de 1.050 euros (R$ 2.878). Quem busca modelos mais sofisticados encontra na Just 4 Vip a novíssima Ferrari Enzo pela bagatela de 13.501 euros (R$ 37 mil) por dia. Também há tours desde 59 euros (R$ 162) por 15 minutos na Liven Up, para ocupar o banco do passageiro.

 

Quer ver a prova de perto? Acelere: ainda há ingressos desde 70 euros (R$ 192) no site formula1monaco.com. Há outras maneiras de acompanhar o circuito, contudo. As finanças não estão boas? Veja os treinos das equipes, realizados antes do domingo do Grande Prêmio, gratuitamente. Se dinheiro não for problema, você pode assistir a tudo de um iate no porto, com direito a serviço vip – nada por menos de 1 mil euros. Mais: grand-prix-monaco.com.

 

De pertinho. Exclusividade, aliás, se encontra em todas as provas da temporada no Paddock Club, camarote oficial que oferece tudo do bom e do melhor, o mais próximo possível dos boxes. Por preços a partir de US$ 3.450 (R$ 7.171), tem-se livre acesso à pista e visita guiada às principais escuderias, além de almoço e open bar de champanhe.

Para não precisar de muito mais do que um lugar naquele ótimo ponto de ultrapassagem, no site oficial há ingressos e pacotes com hotel e aéreo para os 20 circuitos do mundial.

 

Operadoras brasileiras também oferecem pacotes para as corridas. Na Top Brasil, quatro noites em Barcelona para o GP da Espanha (12 de maio) com aéreo, hospedagem e ingresso custam desde US$ 2.499. Cinco noites em Mônaco, com ingressos para terraço vip, saem por 7.300 euros o casal na Tereza Ferrari. Já a Teresa Perez e a TAM Viagens têm pacotes para provas como Silverstone e Monza, com preços sob consulta.

 

Exóticos.Nos últimos anos, alguns novos circuitos adicionaram emoção e movimento ao calendário. Seja por seus percursos novinhos – caso da Índia, que recebeu sua primeira prova de Fórmula 1 no ano passado no recém-inaugurado autódromo de Buddh. Ou por conta do horário em que as provas são realizadas, como à noite, em Cingapura, ou ao entardecer, em Abu Dabi.

 

Cingapura, por sinal, está investindo pesado para conquistar visitantes. A maior prova é o megalomaníaco Gardens By The Bay, aberto em 2011, misto de parque, zoológico e jardim botânico que custou US$ 1 bilhão. No mesmo ano, foram inaugurados dois cassinos e uma filial do Universal Studios.

 

Na desértica e ambiciosa Abu Dabi, além do luxuoso circuito de Yas Marina, outra veloz atração cativa os visitantes desde 2010. O Ferrari World é o maior parque temático indoor do mundo. Completamente dedicado à escuderia de Maranello, tem desde brinquedos para crianças e simuladores de corrida até a mais rápida montanha russa do planeta, a Formula Rossa. Antes de entrar no cockpit, os visitantes recebem óculos de proteção – os carrinhos chegam a 240 quilômetros por hora. Como se não bastasse, os corajosos ainda enfrentam uma descida de 52 metros de altura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.