Guerra ao aluguel de apartamentos

Alugar um apartamento no destino de férias é uma deliciosa alternativa aos hotéis - você fica em um prédio residencial, com vizinhos de verdade. Mas a opção, ótima para quem gosta de se sentir (quase) um morador na cidade visitada, não tem sido vista com bons olhos em algumas metrópoles.

O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2010 | 02h18

Primeiro, há cerca de um mês, foi Paris. Agora, Nova York também decidiu proibir o aluguel de apartamentos com duração inferior a 30 dias, na cidade e em todo o Estado homônimo. Assinada no fim de julho pelo governador David A. Paterson, a lei tem o objetivo declarado de impedir o funcionamento de "hotéis irregulares".

Diante das críticas de que a lei seria pouco amistosa ao turismo, a senadora Liz Krueger, uma das responsáveis pelo projeto, alegou que a alta rotatividade coloca em risco a segurança dos moradores e dos próprios visitantes. Inquilinos temporários teriam menos atenção a procedimentos de abandono do prédio em caso de incêndio.

O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, também citou a segurança entre as motivações. "Quando casas para ocupação permanente são ilegalmente convertidas em hotel, são criadas condições inseguras, o caráter residencial dos bairros é prejudicado e a oferta de unidades para habitação se esgota", disse. A proibição vale a partir de 1.º de maio de 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.