Museu de Arte Naïf (Mian)
Museu de Arte Naïf (Mian)

Guia do turista olímpico

Selecionamos 184 opções de hotéis, passeios, bares, restaurantes e compras para quem vai visitar o Rio antes, durante ou depois da Olimpíada

Bruna Toni e Nathalia Molina, Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2016 | 02h30

O Rio de Janeiro não continua sendo (o mesmo), dirá, porventura, quem cruzou ou cruzará suas ruas e avenidas nos próximos meses. Há motivos para a discordância poética. Desde que foi escolhido sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, viu mudar seus contornos, suas formas de locomoção e prioridades geográficas. Viu seu cotidiano se transformar no centro das atenções do mundo todo. 

Nove anos depois e a exatos 45 dias da chegada da Tocha Olímpica ao Maracanã, palco da cerimônia de abertura (e de encerramento) da maior competição esportiva do mundo, a cidade ainda se esforça para fazer a experiência dos cerca de 1 milhão de turistas aguardados por lá ao longo do ano ir além das disputas em 28 modalidades. 

Foram muitas transformações – que devem seguir até os Jogos e, provavelmente depois deles. Na sexta-feira, por exemplo, a cidade-sede declarou calamidade pública para ter acesso mais rápido a recursos federais. A justificativa é honrar compromissos assumidos com o Comitê Olímpico Internacional (COI), como o término da linha 4 do metrô, entre Ipanema e Barra da Tijuca.

Independentemente de questões políticas, o Rio seguirá atraindo os turistas. Por isso, fizemos um guia de atrações, divididas em cinco regiões, com 184 opções de passeios, praias, gastronomia, noite e compras, que pode ser levado no celular antes, durante e depois dos Jogos. Porque, apesar de não ser mais o mesmo, o Rio de Janeiro continuará lindo. / COLABORARAM MÔNICA NOBREGA E FERNANDO VICTORINO, ESPECIAL PARA O ESTADO

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.