Imprevisível capital 7

Seis horas da tarde em Wellington, capital da Nova Zelândia, caminho exausto após um dia cheio de descobertas. A bateria de minha câmera fotográfica (e a minha também) estão completamente descarregadas. Passo pela Lambton Quay, uma avenida com prédios de arquitetura futurista. O que chama a atenção, no entanto, é o som de centenas de pássaros em uma árvore. Uma taxista explica que são simples sparrows - ou seja, pardais - que se reúnem ao entardecer em animadas cantorias. A metrópole não conseguiu abafar o som dos passarinhos.

O Estado de S.Paulo

04 Setembro 2012 | 03h11

Localizada no extremo sul da Ilha Norte, a cidade tem clima imprevisível - se encontrar o sol, tanto melhor - e ótimos passeios. Na maior parte deles, não é preciso desembolsar nenhum tostão. É o caso do Museu Te Papa (tepapa.govt.nz), inaugurado em 1998 e logo transformado em cartão-postal. Vai ser impossível visitar todo o acervo distribuído entre seus quatro andares em um só dia.

O museu é dividido em alas que fazem um apanhado cronológico da história do país. Há barcos originais maoris, peças de vestuário, esculturas em madeira e vasto material dos colonizadores ingleses, como louças e roupas. Há ainda um espaço dedicado às crianças. Nos fins de semana, artistas de rua se exibem em frente ao museu.

Outra grande atração da cidade é o Jardim Botânico (tinyurl.com/botanic2012), também gratuito. São 25 hectares tomados por várias espécies de plantas - impossível não relaxar passeando por suas alamedas. Vá de cable car, funicular vermelho que sobe as íngremes montanhas até o topo do parque. De lá, aprecie a bela panorâmica da capital.

Wellington tampouco decepciona quem sente falta de atrações mais urbanas. Salas de cinema com mostras alternativas de filmes locais, bares e restaurantes na região de Courtenay Place e brechós próximos à Cuba Street fazem a alegria dos antenados em moda, arte, música e gastronomia. A cidade, aliás, parece uma passarela ao ar livre. Mulheres e homens circulam impecáveis, com roupas retrôs e combinações peculiares.

Para fechar a estada em Wellington, um programa tipicamente kiwi: assistir a um jogo de rúgbi, esporte nacional, no WestPac Stadium. O time local é o Hurricanes. Ingressos a 25 dólares neozelandeses (R$ 40), em média. / T.Q.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.