Aryane Cararo/AE
Aryane Cararo/AE

Luxo em um cenário precioso na Sardenha

Balneário favorito dos políticos e milionários, Costa Esmeralda esbanja razões para um passeio sem pressa

Aryane Cararo / OLBIA,

05 Julho 2011 | 06h00

O carro serpenteia pela autoestrada, ora desviando, ora enfrentando altas montanhas. Algumas vezes encobre, em outras revela, baías de um verde e de um azul claros. Em todas, veleiros passeiam sem preocupação. Aqui e ali, pessoas jogam golfe. A paisagem já seria bonita por sua própria natureza. Mas na Sardenha os homens também foram caprichosos e transformaram a Costa Esmeralda, no norte, num dos destinos mais sofisticados do Mediterrâneo.

 

Às margens da estrada e nas casas em tons pastéis, oleandros, buganvílias e gerânios, que vão do branco ao púrpura, deixam o passeio mais especial. Com o perdão do trocadilho, Esmeralda é de fato uma joia do Mediterrâneo, muito procurada pelo jet set internacional.

 

O nome é apropriado em todos os sentidos. É a cor do mar, em suas várias matizes, compondo com as pedras de granito rosa. É a preciosidade do meio ambiente, em suas tintas naturais. É o preço que se paga, já que o destino é dos mais caros da Europa, com diárias que chegam a R$ 6 mil em alta temporada. É a exclusividade - ou quase isso, pois os voos de baixo custo no aeroporto de Olbia, além do acesso pelo porto, facilitam a vida de quem quer desfrutar do paraíso de milionários e bilionários.

 

Com cerca de 50 quilômetros, a Costa guarda praias de águas verde-azuladas, como a Liscia Ruja e a delicada e calma Capriccioli, com areia branca, pedras de granito rosa e pinheiros. Mas é a badalada Porto Cervo o destino de quem tem fama e dinheiro (e um iate luxuoso). No centrinho, butiques como Versace, Prada e Armani. São apenas 200 habitantes na cidade - e sete hotéis cinco estrelas, entre os quais o caríssimo Cala di Volpe.

 

Silvio Berlusconi, o premiê italiano, já teve casa lá. Flávio Briatore, ex-dirigente da Fórmula 1, mantém uma boate, a Billionaire. Uma coca-cola vale 10 e o uso de duas cadeiras e um guarda-sol nos hotéis luxuosos, 70 - em certas praias, não se pode simplesmente estender uma canga.

 

Mas o coração da Esmeralda não tem a praia mais bonita. Para isso, avance até a Baía Sardinia. Com águas tranquilas de um azul royal impressionante e flores multicolores, dá vontade de passar o dia inteiro na espreguiçadeira de um bar - a praia não é privada, mas você chega a pagar de 25 a 50 para se sentar ali em julho e agosto. Apesar disso, a Baía Sardinia não tem grifes e você encontra havaianas e souvenirs como o mirto, licor sardo.

 

O que faz prosseguir é a busca por outros tons de azul até Santa Teresa de Gallura, cidade de 4 mil habitantes no Estreito de Bonifácio, de onde se vê a Córsega. Faça um leve desvio até a Isola dei Gabbiani, em Palau, paraíso do windsurfe e outros esportes aquáticos. É de Palau que saem ferries para La Madalena e Ilha Caprera, onde viveu Giuseppe Garibaldi (1807- 1802), protagonista da Revolução Farroupilha. O trajeto leva 1h30, sem paradas. Mas você está na parte mais reluzente da Sardenha, para que pressa? Entre os sardos, o tempo passa devagar. Talvez por isso os homens ali vivam facilmente até 100 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.