Viagem

Mais barata e sede da Jornada Mundial da Juventude em 2016, Polônia está com tudo

Varsóvia, capital do país, foi considerada a segunda cidade com melhor preço do mundo para viajar em pesquisa do TripAdvisor

08/12/2015 | 05h00    

Adriana Moreira - O Estado de S. Paulo

6 imagens

Daqui a poucos dias, em 19 de dezembro, o Rio de Janeiro ganhará o futurístico Museu do Amanhã, em prédio assinado pelo arquiteto catalão Santiago Calatrava. Em frente, na Praça Mauá, funciona desde março de 2013 o Museu de Arte do Rio, famoso pela cobertura suspensa com design de onda. Os dois museus integram o projeto Porto Maravilha, uma ampla requalificação da região portuária da cidade. E são ícones de um Rio que se prepara para ser, mais uma vez, protagonista do turismo brasileiro (e mundial), como sede da Olimpíada de 2016.

Só isso justificaria a votação unânime que a cidade recebeu pelos jurados na escolha do Viagem de destinos para visitar no próximo ano. Mas há outra razão: neste 2015 de crise e dólar instável, muitos brasileiros estão trocando os destinos no exterior pelos nacionais nos seus planos de viagem. 

A tendência vem sendo detectada pela Sondagem do Consumidor: Intenção de Viagem, feita mensalmente pela Fundação Getúlio Vargas para o Ministério do Turismo. A pesquisa, em 2 mil domicílios e referente a novembro, detectou que, dos brasileiros dispostos a viajar nos próximos seis meses, 81,7% pretendem ir a destinos nacionais, e 13,8% ao exterior. Em novembro do ano passado, o Brasil foi escolhido por 79,6% dos entrevistados; roteiros internacionais estavam nos planos de 13,8%.

Tal preferência pelo Brasil levou a outra votação unânime, Fernando de Noronha, e na escolha de destinos internacionais mais baratos, de maneira geral.

Os motivos que levaram a Polônia a ser o 5º destino mais votado você descobre a seguir. Para saber quais foram os outros nove lugares, quem foram os jurados e como a nossa eleição foi feita, clique aqui. / Mônica Nóbrega

5º POLÔNIA

Barata para os padrões europeus, com uma Capital Europeia da Cultura e uma cidade-sede da Jornada Mundial da Juventude, a Polônia está com tudo em 2016. “Deu uma curiosidade de visitar!”, disse o humorista e viajante contumaz Fábio Porchat ao justificar seu voto para o país. 

 A dobradinha crise + euro nas alturas vai obrigar os viajantes com orçamento apertado a olhar para a Europa de uma maneira diferente. “Junto com a Grécia, a Polônia é o destino mais barato no momento”, explica Magda Nassar, diretora da Braztoa. De fato: no ano passado, a capital Varsóvia foi considerada a segunda cidade com melhor preço do mundo para viajar pelo TripIndex Cities, ranking anual do site Trip Advisor (ficou atrás de Hanói, no Vietnã; leia na página 9). O índice soma o preço médio de hotéis e refeições para duas pessoas, além de táxi e passeios, para três dias – no caso, US$ 739,38 ao todo. 

Além disso, dá para formar roteiros com países vizinhos (Alemanha e República Checa, por exemplo), como aconselha Magda. Embora o país tenha atrações suficientes para se bastar em sua viagem. 

Varsóvia é bacana não apenas por ser barata, mas por toda herança histórica. Depois de ter 75% de seu território bombardeado na Segunda Guerra Mundial, ela se reergueu, trazendo de volta monumentos desaparecidos sob escombros. Visite o Palácio Real e o Museu do Levante de Varsóvia.

Cracóvia, outra parada fundamental no país, guarda toda a animação das cidades universitárias (ali está a quinta mais antiga do mundo), mas também é por ela que se chega a um dos campos de concentração mais simbólicos do nazismo: Auschwitz. Ao contrário do que ocorreu em Varsóvia, Cracóvia foi poupada dos bombardeios e mantém um centro histórico bem preservado.

“A cidade abriga memórias da guerra, do seu passado comunista e da vida de um de seus moradores mais célebres: o papa João Paulo II”, descreve Tahiana Rodrigues, gerente de Comunicação do Skyscanner, ao colocar a Polônia entre seus destinos para 2016. “Não surpreendentemente, a Cracóvia foi escolhida para abrigar a próxima Jornada Mundial da Juventude, evento que possivelmente influenciou o crescimento de 5% nas buscas para o país.”

Pouco conhecida dos brasileiros, Wroclaw será uma das Capitais Europeias da Cultura em 2016 (ao lado de San Sebastián, na Espanha), e deve ferver de eventos bacanas – apresentações de teatro, música, dança, artes visuais e arquitetura. 

 Mas mesmo que não houvesse nada disso, ela mereceria sua visita. Espalhada pelas ilhas do Rio Oder, a cidade exibe em sua arquitetura e gastronomia as múltiplas influências que sofreu ao longo de sua história. Repleta de monumentos, cercada de castelos e com uma cerveja reconhecida pela qualidade, ela tem tudo para conquistar seu coração viajante. Ricardo Freire sugere um roteiro de 15 dias redondinho: bit.ly/freirepolonia.