Malas nas ruas

Por conta da origem hispânica, muitas tradições se repetem pelas Américas do Sul e Central, mas vários países reúnem suas peculiaridades para celebrar a chegada do novo ano. Um ponto em comum entre as festas é a presença do fogo. Seja nos rojões que iluminam Valparaíso e atraem mais de 1 milhão de pessoas, seja para queimar bonecos vestidos com roupas velhas, para simbolizar o ano que passou, hábito dos colombianos à meia-noite em ponto. Ainda na Colômbia, é comum escrever uma lista de tudo o que se quer deixar para trás e queimar o papel na hora da virada.

O Estado de S.Paulo

27 Dezembro 2011 | 03h08

Na Guatemala, as roupas podem ser de qualquer cor, mas precisam ser novas. Já no México, veste-se amarelo para trabalho, vermelho para o amor e verde para finanças. Na noite da virada as famílias mexicanas preparam um pão doce comprido que é assado com uma moeda dentro. A crença diz que, ao ser fatiado, o prato em que a moeda cair será abençoado.

Entre os sul-americanos existe até uma simpatia específica para viajantes. Na Venezuela e no Peru, logo depois da virada, pessoas vão às ruas dar voltas nos quarteirões arrastando malas vazias - o que, acredita-se, atrairia oportunidades

de viagem no

novo ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.