Mas sem sair da pista

"Senhores passageiros, ocupem seus assentos - poltrona, cama ou banquinho do minibar - que a aeronave não vai decolar". Essa poderia ser a mensagem do comandante deste Ilyushin 18, ano 1960, que, após anos atravessando oceanos, deixou de voar e ganhou, além de reforma , uma nova função: hospedagem de luxo.

O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2012 | 02h09

O avião, que fica no aeroporto de Teuge, a 100 quilômetros de Amsterdã, foi transformado em uma super suíte para dois hóspedes - não, não adianta tentar levar mais alguém na mala. Mordomias como jacuzzi, sauna infravermelha, três televisores, coleção de DVDs e Wi-Fi estão incluídas nos € 350 (R$ 910) pagos pela diária. Além de um café da manhã que o hotel garante ser infinitamente melhor do que qualquer refeição em uma aeronave que ainda voa.

Mas se o quarto-avião não tira o trem de pouso da pista, basta dar um passo fora dele para voar. No hangar vizinho, aviões e helicópteros estão prontos para passeios guiados - não incluídos na diária. Voos em aviões acrobáticos e salto duplo de paraquedas são outras opções. Reservas no www.hotelsuites.nl.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.