Adriana Moreira/Estadão
Adriana Moreira/Estadão

Mauna Kea, para ver o mundo de cima das nuvens

De carro, chega-se ao topo do vulcão adormecido, a 4.205 metros de altitude

Adriana Moreira, O Estado de S. Paulo

24 Novembro 2015 | 03h00

Se você planeja ir ao topo do Mauna Kea, o ponto mais alto do aquipélago do Havaí, a 4.205 metros de altitude, é bom colocar em sua mala mais do que shorts, vestidos e outras peças de verão. Você vai usá-las por pouco tempo, mas é crucial estar com roupas aquecidas para aproveitar a aventura, incluindo luvas, gorros e meias.

O vulcão adormecido é e um dos poucos lugares do mundo onde é possível sair do nível do mar e chegar acima dos 4 mil metros de altitude dirigindo por 2 horas. O ar rarefeito afeta o corpo, e beber muita água no trajeto é fundamental para evitar os males típicos da altitude, como dor de cabeça e enjoo.

É possível subir com o próprio veículo (confirme com a locadora que seu carro é adequado para chegar lá no alto) ou encarar um dos tours com as companhias locais (US$ 200, em média), que ainda incluem no preço o empréstimo de um casacão de neve, jantar (simples) no centro de visitantes e traslado até Kona ou Hilo. Escolha entre a Mauna Kea Summit Adventure e a Hawaii Forest

Normalmente, os tours partem à tarde e param por cerca de 30 minutos no Centro de Visitantes, a 2.800 metros de altitude, onde se vende chá, café, chocolate, souvenirs e roupas de inverno. Os preços não são os mais baratos, mas, quando o frio aperta, você paga sem questionar. 

Há duas paradas para fotos – e para ficar com o queixo caído, vendo o mundo acima das nuvens. A primeira é rápida, para aplacar a ansiedade de quem olha o cenário pela janela da van, desesperado para fotografar. A segunda é mais contemplativa, no alto, entre as torres de observação astronômica, para ver o sol descer rápido, tingindo o céu de laranja enquanto as estrelas tomam conta do céu.

Quando o sol vai embora, as vans de turismo e os carros de passeio também vão – há uma recomendação para não passar mais de 30 minutos depois do pôr do sol no alto do Mauna Kea. Algumas empresas aproveitam o céu limpo e estrelado para mostrar o céu e falar de astronomia, o chamado stargazing. É possível conferir o stargazing também no centro de visitantes, diariamente, das 18 às 22 horas – e até usar os telescópios. Tudo grátis. Mais informações aqui.

Mais conteúdo sobre:
Havaí Big Island Mauna Kea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.