Divulgação
Divulgação

Morador de rua guia tour por Aarhus

Diferentemente dos típicos passeios em uma cidade turística, o que importa é como a cidade é vista pelo guia

Laura Maia - ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2017 | 04h00

Era 16h45 e o tour começou pontualmente. Diferentemente dos típicos passeios em uma cidade turística, o que importava ali não eram os monumentos ou a história local, mas sim como a cidade era vista pelo nosso guia. De longas barbas brancas, o inglês David Rickerby, que morou mais de cinco anos pelas ruas de Aarhus, é um dos 25 guias do Poverty Walk (Tour da Pobreza). 

O projeto tem como objetivo lutar contra a invisibilidade das pessoas em situação de rua, ao mesmo tempo em que oferece um tour alternativo pela cidade. Iniciativas como essa já existem em outros locais da Europa, como Londres, Copenhague e Berlim, e vêm despertando cada vez mais interesse não apenas dos turistas, mas dos próprios moradores.

Fiz o tour com funcionários de uma mesma empresa, todos dinamarqueses, interessados em ver por outro ângulo a cidade em que vivem. A caminhada começou em frente ao Værestedet (algo como Hábitat), uma simpática casa vermelha onde moradores de rua recebem suporte do poder público, participam de atividades sociais e podem conseguir trabalho de guia ou de vendedor da revista Hus Forbi, cujas vendas ajudam essa população.

Aos poucos, David foi nos mostrando (por fora) locais que fazem parte da vida de quem mora na rua no país com um dos menores índices de desigualdade social do mundo. "É comum acharem que, porque estamos na Dinamarca, as pessoas são moradoras de rua porque querem, o que não é bem verdade", observa o guia. Segundo o último levantamento oficial (em 2015), o país tem 6.138 moradores de rua, 11% desse total em Aarhus. 

Todo o tour é costurado com a história do próprio David, que ficou famoso na cidade há três anos por causa de um documentário produzido pelo canal público TV2. Desde então, mais gente pode saber a trajetória de alguém que entrou na vida do crime aos 14 anos, passou cinco anos na prisão por assalto à mão armada na Inglaterra e foi parar nas ruas dessa charmosa cidade dinamarquesa, coletando garrafas e latas para reciclar. 

E aí vem a parte mais inusitada: David já publicou três romances policiais graças a uma campanha de crowdfunding, o que foi o impulso para conseguir sair das ruas e viver num trailer ao sul da cidade.

O tour inclui ainda as melhores regiões para coletar garrafas e latas, locais onde moradores de rua (inclusive ele) foram vítimas de violência, o abrigo que oferece suporte para mulheres em situação de rua, a escola que oferece cursos como o de carpintaria para aqueles que querem entrar ou voltar para o mercado de trabalho... 

Depois de uma hora e pouco, chegamos à principal praça da cidade. Ali, em frente a imponente catedral de Aarhus, David relata como o Natal é uma época difícil para quem mora na rua. 

No fim, ainda fui tomar um café com David no seu bar preferido. O dono do estabelecimento não deixou que nós pagássemos. "David é de casa", disse. Consulte datas disponíveis em pw.aarhus@gmail.com; custa, em média, R$ 50. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.