Viagem

Na teoria, a prática é outra: cinco dicas para ajudá-lo na rotina do Caminho de Santiago

Chip para celular, doações, desapego: um pouco da dinâmica do trajeto

14/09/2015 | 14h30    

Felipe Mortara - O Estado de S. Paulo

1. Comunicar-se

Apesar de o Caminho de Santiago ter em sua essência a ideia de se encontrar e se recolher, nem todos querem ficar incomunicáveis ou desconectados. Por isso, comprar um chip de celular local para ter internet disponível para se comunicar com o Brasil ou localmente ajuda a economizar dinheiro. Mesmo usando as operadoras de telefonia locais, saiba que a ligação de lá pra cá é de 10 a 20 vezes mais barata do que ligar por operadoras brasileiras. É importante lembrar que os chips são vendidos em muitos lugares, principalmente tabacarias e quiosques de jornal. Evite comprar no aeroporto, onde paga-se muito mais caro. A habilitação é imediata e a própria loja insere o chip em seu aparelho e ajuda a habilitá-lo.

Caminhantes de várias idades encaram o trajeto rumo a Santiago de Compostela 

Caminhantes de várias idades encaram o trajeto rumo a Santiago de Compostela  Foto: Eloy Alonso/Reuters

2. Informação na estrada

O Caminho de Santiago é dinâmico - trilhas mudam, se transformam e a melhor maneira de estar por dentro das informações é mesmo online. Segundo Guilherme Sikora, da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago, o site da rede de supermercados basca Eroski é um dos mais completos sobre os vários Caminhos de Santiago. Por ser online e ter uma rede ativa de usuários, é muito atualizado. Uma grande opção para quem não quiser carregar guias de papel. “Tem até informações demais, e vale ser usado sim. A não ser que a pessoa prefira um guia físico pra ir rabiscando", diz Guilherme.

3. Memórias

Prefira levar uma câmera fotográfica pequena e leve ou conte apenas com a do celular - câmeras grandes são pesadas e você corre o risco de querer deixá-las pelo caminho. Aposte em um bom cartão de memória, de 32 ou 64 gigabytes e clique sem parar - leve ao menos um extra. Outra coisa bacana é ter um caderno de capa mole, mas com folhas de boa qualidade e uma caneta de plástico, leve. Registrar impressões, sensações e sentimentos pode ajudar muito o peregrinos a retomar suas vivências quando a jornada terminar e retornar aos seus pensamentos e emoções durante a peregrinação. 

4. Desapegue

No Caminho existem vários lugares com caixinhas propondo que você “deixe o que não precisa, leve o que necessita". Desta forma, alguma coisa que não faz mais sentido para você pode ser descartada. É comum achar até minibarracas de camping descartadas ou capas de chuva. Em Roncesvalles, após a descida dos Pirineus, há uma vitrine de coisas grátis deixadas por peregrinos. 

5. O outro é você

Quando entrar em um albergue lembre-se que foi totalmente limpo e arrumado para recebê-lo. Zele e cuide de tudo. Albergues não são como hotéis e peregrinos não são turistas tradicionais. É comum ler pelo Caminho: “o turista exige, o peregrino agradece”. Não se esqueça que algum serviço por donativo não é propriamente grátis, por isso doe o quanto puder ou o seu orçamento permitir. Alguns estabelecimentos compram comidas ou pagam contas de luz e gás exclusivamente com donativos. Esta é uma grande lição. O que você deixa servirá para o próximo no dia seguinte.