Viagem

'Nem a Olimpíada foi suficiente', diz diretor do Museu do Amanhã sobre limpeza da Baía

Contornando polêmicas, Ricardo Piquet diz que museu deve agir no sentido de conscientizar as pessoas sobre poluição da Guanabara

15/03/2016 | 06h00    

Bruna Toni - O Estado de S. Paulo

De outros pontos do Rio também se pode ver a sujeira da Baía de Guanabara. Na foto, o Canal do Cunha cheio de lixo na Ilha do Fundão, zona norte do Rio

De outros pontos do Rio também se pode ver a sujeira da Baía de Guanabara. Na foto, o Canal do Cunha cheio de lixo na Ilha do Fundão, zona norte do Rio Foto: Fabio Motta|Estadão

RIO DE JANEIRO - Pneus, garrafas, estrado de cama e embalagens diversas grudadas umas nas outras formam manchas em geral amarronzadas sobre a superfície da Baía de Guanabara. Trazidas pela maré, movem-se lentamente de uma borda a outra, sinal de que não têm a menor preocupação com o tempo que lhes resta por ali - nem com os olhares desgostosos de quem as mira a partir da revitalizada Praça Mauá, no centro do Rio de Janeiro.

Desde que o Museu do Amanhã foi aberto, em 17 de dezembro de 2015, os olhares para a zona portuária do Rio se tornaram mais relevantes - e não menos críticos. Aos questionamentos sobre a polêmica operação Porto Maravilha, responsável pela revitalização da área abandonada da cidade, mas também pela remoção de famílias inteiras da região contra a vontade das mesmas, somaram-se questionamentos sobre a instalação de um polo cultural focado em pautas de sustentabilidade justamente em um lugar onde o que se vê é o mais claro desequilíbrio ambiental.

LEIA MAIS: Museu do Amanhã prepara programação para os Jogos

Em fevereiro, imagens do lixo no entorno do Museu do Amanhã circularam pela internet e reascenderam a discussão sobre o cenário contrastante (às vésperas da Olimpíada). "Incomoda quando a gente vê uma foto tirada da praça com lixo do lado e o Museu do Amanhã ao fundo, né? As pessoas ligam perguntando 'como assim, o que isso tem a ver com o museu?'. Não tem a ver e tem. Não tem porque não foi provocado pelo museu, o museu foi colocado aqui. Mas tem a ver porque ele está no nosso cenário, é nossa casa, é nossa praia, e a gente vai ter de se envolver de alguma forma com a solução desse problema", afirma o diretor do Museu do Amanhã, Ricardo Piquet.

Segundo ele, a questão da poluição da Baía sempre esteve em pauta, assim como a discussão sobre o papel do museu na conscientização dos visitantes. A ideia inicial era montar um aquário com água limpa e com água da Guanabara para mostrar o tamanho do impacto. A proposta acabou se transformando na futura instalação de um observatório patrocinado pela iniciativa privada, que terá como objetivo contribuir com a educação da população, sem a pretensão de despoluir o local - cujo papel e financiamento Ricardo Piquet afirma não serem obrigação do museu, mas do governo.

8 imagens

"Todos os esforços de todos os governos se mostraram ineficientes até hoje. Nem a Olimpíada foi suficiente para uma ação eficaz. O nosso papel será o de acompanhar e cobrar medidas de mudança desse cenário antes do amanhã. Se o amanhã é daqui 30, 40 anos, não justifica estar dessa forma", afirma o diretor do museu.

LEIA MAIS: Os melhores bairros para se hospedar na Olimpíada

Além de cobrar ações governamentais, há a clara preocupação em mudar "a cabeça" e as ações das pessoas por dois motivos, sobretudo. O primeiro deles é a constatação pela própria casa de que o público visitante abraça moradores dos 17 municípios banhados pela Baía de Guanabara. O segundo é que, para além da Baía, muitas vezes a área do próprio Museu do Amanhã acaba virando lata de lixo.

É o que ocorre muitas vezes com os espelhos d'água, limpos durante a nossa visita, mas que também já foram clicados mais escuros do que deveriam. Quanto a isso, Ricardo Piquet reconhece: "Aí sim, é nosso quintal". Segundo ele, a coleta regular já está sendo feita para, futuramente, se tornar um monumento ao lixo. "Estamos pensando agora em como devolver para o cidadão: 'olha, isso aqui foi jogado por pessoas que vieram nos visitar e não tiveram o mínimo cuidado com o amanhã'", conta.

LEIA MAIS: Saiba por que o Rio é o melhor destino em 2016


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Calendário

  • 27mai

    Horário de verão no Animal Kingdom

    A partir desse dia o parque Animal Kingdom, da Disney em Orlando, passa a fechar mais tarde, às 23 horas (era às 18 horas). A Árvore da Vida (Tree of Life) estreia nova iluminação e o Kilimanjaro Safari terá tours noturnos: bit.ly/aknoite; desde US$ 97.

  • 08mai

    Corrida pelo bem

    Com largada simultânea em Brasília e outras 33 cidades do mundo – veja lista em bit.ly/runwings– a corrida Wings for Life tem renda revertida para pesquisa da cura de lesão na medula espinhal. Inscrições: US$ 30

  • 06mai

    Festa do Divino

    Marcada pela cultura popular e por procissões, a festa do Divino Espírito Santo dura dez dias (até 15) e é forte em São Luís do Paraitinga (SP) e em Paraty (RJ), onde ganhou atá DJs. Mais: bit.ly/divinoparaitinga e bit.ly/divinoparaty.

  • 16mai

    Orgulho gay no méxico

    Receptiva ao turismo gay, Puerto Vallarta, no México, recebe até dia 30 o Vallarta Pride (vallartapride.com). Além do desfile no domingo (28), o evento terá festivais de música e cinema, além festas. Tudo grátis.

  • 20mai

    Jazz em Paraty

    Eumir Deodato, Rosa Passos e Thiago Espírito Santo são alguns dos artistas que se apresentam na Praça da Matriz, em Paraty, para as três noites de jazz, blues e soul do Bourbon Festival, até dia 22. Tudo grátis; bit.ly/viabourbon

  • 21mai

    festival Ver-o-Peso no Pará

    A atual culinária mais badalada do Brasil é celebrada em Belém no Festival Ver-o-Peso da Cozinha Paraense, batizado com o nome do mercado público. Até o dia 29, tem aulas, jantares com chefs e mais; bit.ly/viaveropeso

  • 25mai

    Festival das luzes em Jerusalém

    Com todas as atrações gratuitas e concentradas na área histórica, Jerusalém faz seu Festival de Luzes até 2 de junho, com projeções em locais como o Muro das Lamentações. Mais: lights-in-jerusalem.com

  • 25mai

    Cirque du Soleil na Broadway

    O Cirque du Soleil estreia seu primeiro show criado especialmente para a Broadway (broadwaycollection.com). Paramour é a história de uma atriz que tem de escolher entre um romance e sua arte. Desde US$ 55

  • 25mai

    Dança em Santos

    Até dia 29, o 3º Festival Internacional de Dança apresenta números de variados estilos no palco do Teatro Municipal Brás Cubas. Para os profissionais, haverá aulas especiais; fidifest.com.br

  • 26mai

    Festival do Pinhão

    Santo Antonio do Pinhal (SP) terá quatro dias de festival dedicado ao pinhão. Receitas com o ingrediente serão vendidas na Praça do Artesão, que terá também barraca de cerveja artesanal e shows; bit.ly/pinhaopinhal