Divulgação
Divulgação

No país de José Mujica, sossego, pompa e cultura

O Uruguai está com tudo. Invista na trinca Punta, Montevidéu e Colonia para entender o porquê

Rafael Mosna, Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2013 | 02h20

Nunca se falou tanto do Uruguai. Mérito do carismático presidente José Mujica, que destina a maior parte do salário à construção de moradias sociais. No verão, são três os destinos principais. A tranquila capital, Montevidéu, a pomposa Punta del Este e a cultural Colonia del Sacramento.

Na capital. Montevidéu é uma volta ao passado, pelas construções históricas e as lojas de couro com roupas de visual da década de 1970. "O clima é de completa tranquilidade", diz o relações públicas Rodrigo Bueno, que esteve ali no Natal e quase não encontrou uma festa para a hora da ceia. No verão, o point é Pocitos, na orla, com restaurantes e hotéis.

Patrimônio. Colonia del Sacramento, Patrimônio da Unesco, a 200 quilômetros da capital, foi fundada no século 17. As atrações são principalmente os museus, como o Português, com objetos que remontam à colonização. Ali está a igreja mais antiga do país, de 1680. Entre as ruas de época, repare na Calle de los Suspiros, tipicamente portuguesa.

Badalado. Já no balneário Punta del Este, lembrado pelo hotel-cassino Conrad, o verão vive clima contínuo de badalação. No porto, pode-se almoçar peixes pescados no mesmo dia e, à noite, se esbaldar em um dos bares. Dois locais bem cotados: José Ignacio e Punta Ballena. O primeiro é coqueluche de famosos; o segundo abriga a simbólica Casapueblo, lar do artista plástico Carlos Vilaró que funciona como museu e hotel, erguida em 1958.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.