Marco Pomárico/AE
Marco Pomárico/AE

Nova Délhi: 48 horas na frenética capital

Belos programas para que a cidade não seja apenas (e injustamente) um ponto de chegada

Rachel Verano, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2009 | 02h53

O labirinto de ruelas e becos do centro de Nova Délhi começa a acordar. As camas espalhadas pelas calçadas desde a noite anterior são dobradas, os homens fazem a barba, as mulheres tomam banho, as crianças já querem brincar - ou pedir esmola, tanto faz. São seis horas. O formigueiro humano de uma das maiores cidades indianas, com quase 13 milhões de habitantes, começa a ganhar forma.

Então surge no horizonte a silhueta da maior mesquita do país. Não demora até que os primeiros raios de sol tinjam de dourado os minaretes da Jama Masjid, erguida entre 1644 e 1658, enquanto os muçulmanos - a maior minoria num país hinduístas - chegam a passos lentos para rezar.

Délhi não é uma cidade que se entrega facilmente, mas começar o dia na Jama Masjid é como espiar suas entranhas. Em apenas 48 horas é possível visitar as principais atrações da capital. Tempo suficiente para o susto inicial se transformar em vício. Desses que só a loucura da Índia é capaz de explicar.

 

Veja também:

Dicas de viagem e sugestões de hotéis nos destinos visitados

Do Rajastão às Ilhas Andaman, um país além do cartão-postal

Thar: mar de areia e de estrelas

Na imensidão do Himalaia, pedidos coloridos a Buda

Segredo com cenários e cores da Tailândia

Igrejas e bacalhau na Lisboa indiana

Inesperada fusão entre Europa e Bollywood 

DIA 1

Depois do amanhecer entre minaretes, mergulhe no caos da Velha Délhi até que surjam as grandiosas muralhas do Lal Qila, o Forte Vermelho, erguido por Shah Jahan - o mesmo do Taj Mahal -, no século 17. Reserve duas horas para ver jardins, mesquitas e palacetes.

Desse ponto, perca-se entre as barracas do mais famoso bazar da cidade, um mix que só poderia estar na Índia: Chandni Chowk. A rua, de mesmo nome, está na frente da entrada principal do Forte Vermelho.

Para recuperar as energias, pare no Raj Ghat, parque ao sul do forte, onde uma lápide de mármore assinala o ponto onde Mahatma Gandhi foi cremado em 1948. Aproveite para descansar da loucura de Délhi nas lojas e nos cafés europeus do círculo interior de Connaught Place, o coração da cidade.

DIA 2

Levante cedo e ocupe a manhã toda explorando os tesouros do National Museum, em Janpath. O espaço conta a história da Índia com seu acervo de objetos e relíquias seculares. Há de tudo, de instrumentos musicais a moedas antigas.

Na sequência, visite a Tumba de Humayun, primeira construção persa no país, original do século 16. Pelo caminho, veja o Portão da Índia e o Arco do Triunfo indiano, com 42 metros de altura.

O roteiro passa ainda pelo Templo de Lótus, com a forma da delicada flor. Aprecie sua fachada, já que a construção é mais interessante por fora. Termine o dia no complexo de Qtub Minar, que abriga várias construções do período da dominação islâmica. A maior atração é a própria Qtub Minar, torre de 73 metros que começou a ser erguida no século 7º.

Mais conteúdo sobre:
Viagem Índia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.