Marcos Müeller/Estadão
Marcos Müeller/Estadão

O cover de mr. Miles

Com o calor de volta ao continente europeu, nosso correspondente britânico decidiu levar sua mascote Trashie para uma temporada de sol na ilha de Ponza, na Itália. Hospedado no Grand Hotel Chiaia di Luna, com uma astonishing view para a impressionante falésia que o cerca, mr. Miles decidiu que o calor e o single malt seriam, of course, o melhor remédio para as dores reumáticas que sua raposa das estepes siberianas tem sentido desde a última temporada de frio. Como vem lamuriando-se cada vez com maior frequência, Trashie tem sido alvo de especial atenção do grande viajante.

Mr. Miles,

02 Julho 2013 | 02h10

"Entre todos os seres que saíram pelo mundo em minha companhia, nenhum deles ofereceu-me tão atenta e desinteressada atenção. Que o sol do Mediterrâneo e as garrafas da ilha de Islay possam recuperá-la para novas aventuras." A seguir, a pergunta da semana:

Mr. Miles: o senhor deve estar ficando rico e não conta nada! Acabo de ver uma campanha publicitária internacional da Air France e da KLM que usa seu nome, sua nacionalidade e sua fleuma. Conte-nos sobre isso!

Antonio Carlos Murilio, por e-mail

"Well, my friend: unfortunately, eu não recebi um penny furado por essa história e sequer sabia de sua existência antes de seu e-mail. Como se sabe, dear Anthony, no mundo nada se cria. Tudo se copia.

Não tenho, in fact, qualquer direito autoral sobre mim mesmo porque, na verdade, não é costume proteger-se por ser quem você realmente é. O nome Miles, unfortunately, além de ser relativamente comum, é a mesma palavra que, em inglês, significa 'milhas'. É curioso, however, que meu cover tenha sido desenvolvido por duas companhias aéreas que usam o francês e o holandês como idiomas nacionais.

Tive a oportunidade de ver um filme publicitário em que o personagem é o pretenso mr. Miles e confesso que seu inglês é verdadeiramente britânico. O único consolo é que, em minha modesta opinião, o mr. Miles de laboratório é muito mais feio do que eu. E menos charmoso, as well.

Do ponto de vista do evidente plágio utilizado na referida campanha, sinto, por um lado, certa tristeza pela sordidez da natureza humana.

Nevertheless, não posso esconder uma ponta de orgulho: ninguém falsifica obras ou artistas ruins. Já que é para criar um embuste, vale mais copiar um Picasso do que um Cabbage's Joseph (N. da R.: Zé das Couves no idioma de Shakespeare).

Besides, se levado a uma acareação com minha réplica publicitária, ouso dizer que tudo o que ele sabe a respeito de destinos around the world está contido nos scripts criados pelos ludibriadores. Faltarão ao clone as única coisas que realmente importam a um viajante: as lembranças de vivências inesquecíveis, o aprendizado de tolerância e entendimento que se obtém a partir da compreensão do comportamento dos povos, e a certeza de que o planeta inteiro pertence a quem nele vive, não importando as restrições e a burocracia que certas nações impõem. E sabem por que isso acontece? Porque a mentalidade que distancia as pessoas é a mesma de quem usa ideias alheias em seu próprio benefício.

Ouso supor, porque as conheço bem, que nem Air France nem KLM perceberam que a campanha publicitária foi desenvolvida à minha imagem e semelhança. Quanto aos meus queridos leitores, well, agora estão todos informados. Have a nice week!"

* MR. MILES É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.