Viagem

Onde ir nos feriados de 2017

Além das atrações fundamentais dos destinos sugeridos, confira também dicas para economizar. A primeira delas: planejar-se com antecedência

03/01/2017 | 05h00    

Adriana Moreira, Bruna Toni e Mônica Nóbrega; Mari Campos e Daniel Lisboa, especiais para O Estado - O Estado de S. Paulo

Machu Picchu, sugestão para o Corpus Christi. 

Machu Picchu, sugestão para o Corpus Christi.  Foto: Enrique Castro-Mendivil/Reuters

O segundo semestre do ano passado teve só um feriado emendável; até nisso 2016 foi um tanto cruel. Mas acabou, e já podemos celebrar a fartura de folgas que chega com 2017. Serão seis feriados perto de fins de semana e um na quarta-feira. 

E olha que nem estamos contando as datas que já prolongam os dias de descanso por sua própria natureza: o carnaval (graças à Terça-Feira Gorda; neste ano, em 28 de fevereiro) e a Páscoa (com sua inalterável Sexta-Feira da Paixão; esta será em 14 de abril) não estão na lista destas páginas. Também ficaram fora da conta o Natal e o ano-novo (que, aliás, caíram em domingos no ingrato 2016). Neste 2017 que acaba de começar, tanto o Papai Noel quanto os fogos de artifício do réveillon chegam em segundas-feiras. Onze feriadões no total, já pensou?

Pois agora que você pensou, é hora de começar a se planejar. Principalmente em tempos de dinheiro curto, vale a regra geral de que gasta menos quem se antecipa. Confira nossas sugestões, trace um plano para economizar, caia na estrada sempre que possível. E feliz ano novo.

Tiradentes - 21/4 - 4 dias

Montevidéu e Brotas

Praia à beira do Rio da Prata na capital uruguaia. 

Praia à beira do Rio da Prata na capital uruguaia.  Foto: Guilherme Conte/Estadão

MONTEVIDÉU

Principais atrações

O basicão, que você aproveita sem correria em dois dias, fica na Cidade Velha. Prefira circular por essa área entre a sexta-feira e o sábado pela manhã; depois, fica tudo meio vazio. O Museu Torres García e o Teatro Solís (com visita guiada; teatrosolis.org.uy) são indispensáveis. Para o primeiro almoço, nem pense em pular o churrasco do Mercado del Puerto, preparado à vista dos visitantes. 

Ali ao lado estão o interessante Museo del Carnaval, a Rambla à beira do Rio da Prata e o ponto de partida do ônibus turístico. Sim, você leu city tour em ônibus de dois andares, e por um bom motivo: descer no Estádio Centenário. Outras paradas possíveis são o Jardim Botânico e o Montevideo Shopping. 

Os restaurantes e a vida noturna estão nos bairros de Punta Carretas, Pocitos e Buceo; ainda mais a leste, no chique bairro de Carrasco, a marca Sofitel reinaugurou há cerca de três anos o hotel cassino Carrasco, em um prédio do século 20. 

Em três dias, é possível pensar em esticar a Punta del Este, a 130 quilômetros de distância, para um bate-volta. 

Não perca

A feira de Tristan Narvaja, nas manhãs de domingo, é uma instituição em Montevidéu. Vende de tudo, de comida a antiguidades e quinquilharias interessantes para presentear. Vá cedo; neste dia, o ônibus turístico faz uma parada especial perto da feira.

Querendo visitar uma vinícola, a menos de meia hora de distância está a Bodega Bouza, que tem tour guiado e uma exposição de carros antigos: bodegabouza.com. Abre de segunda-feira a sábado. 

Evite

A cidadezinha histórica de Colonia del Sacramento está mais longe (180 quilômetros) de Montevidéu que Punta del Este e no sentido oposto, indo para oeste, em direção a Buenos Aires (que está do outro lado do Rio da Prata). Nesse caso, três dias é pouco tempo. Escolha uma e deixe a outra para a próxima vez. 

Dicas de economia 

O Uber começou em 2016 a operar em Montevidéu. A lei que devolve 18,5% do IVA em contas de hotéis e restaurantes pagas com cartão de crédito brasileiro está válida até 21 de abril – e vem sendo prorrogada desde 2013. 

Site:  turismo.gub.uy. / MÔNICA NOBREGA

 

Rafting é a principal atividade em Brotas. 

Rafting é a principal atividade em Brotas.  Foto: Divulgação

BROTAS

Principais atrações

A três horas de São Paulo, Brotas tem como principal atração o Rio Jacaré-Pepira, que atravessa a cidade com 89% de pureza. Brotas reúne a maior oferta de esportes de aventura do Brasil: rafting (estrela local), boia-cross, canionismo, escalada, rapel e arvorismo. 

A relação de Brotas com o rafting é tão intensa que a cidade tem até um museu dedicado ao esporte, o Museu Bozo d’Água, dentro do Brotas Bar. Novidade da temporada, a tirolesa em curva Sky Rider (R$ 80 por pessoa) percorre 500 metros de curvas acentuadas em meio à mata, num trilho suspenso a 20 metros do solo, e chega a uma velocidade de 35 quilômetros por hora. Também nova é a tirolesa em bicicleta, a Zipbike, da empresa EcoAção (ecoacao.com.br), no Viva Brotas Ecoparque.  O participante pedala num percurso de 1.300 metros, a 110 metros do solo, sobre a região da cachoeira Santa Eulália (98 reais por pessoa).

Tome banho de rio (na represa Patrimônio) e nas 11 cachoeiras com infraestrutura pública e quedas que chegam a 60 metros. A cachoeira Cassorova é o cartão-postal do município. Para as crianças, a Nascente Areia que Canta tem água que brota em meio à areia branca e, quando friccionada entre as mãos, produz um belo e curioso som. Adultos podem visitar produção artesanal de cervejas e cachaças na cervejaria Brotas Beer e na Casa da Cachaça. 

Não perca

O Parque dos Saltos tem trilhas à margem do rio Jacaré-Pepira, quedas d’água, duas pontes suspensas e uma das primeiras usinas hidrelétricas do Estado de São Paulo, já desativada, aberta à visitação. Tudo gratuito. Visite também o Centro de Estudos do Universo (CEU; fundacaoceu.org.br), o mais moderno observatório e planetário da América Latina. 

Evite

Sair para os passeios sem repelente. Os mosquitos são numerosos, principalmente no verão. 

Dicas de economia 

Além dos mais de sessenta hotéis e de imóveis para temporada, Brotas tem também duas áreas de camping. No quesito passeios, economize comprando pacotes combinados que incluam várias atividades (e, em alguns casos, também a hospedagem). 

Site: brotas.tur.br. / MARI CAMPOS, ESPECIAL PARA O ESTADO

Dia do Trabalho - 1º/5 - 3 dias

Paraty e Curitiba

Farto calendário cultural da cidade no litoral fluminense tem a Flip como carro-chefe

Farto calendário cultural da cidade no litoral fluminense tem a Flip como carro-chefe Foto: Felipe Rau/Estadão

PARATY

Principais atrações

Desde São Paulo, vá a Paraty de ônibus – compre a ida na madrugada de quinta para sexta e a volta na de domingo para segunda – e você terá três dias inteiros, sem risco de dormir ao volante.

Turistas brasileiros e estrangeiros dão um ar cosmopolita ao centro histórico restaurado, repleto de bares, restaurantes, cafés, hotéis, igrejas históricas, museus e centros culturais. Experimente os menus de restaurantes como Banana da Terra, Quintal das Letras e Punto Divino, e faça a digestão tomando a famosa “Gabriela”, mistura de cachaça com cravo e canela. Se a “malvada” descer bem, lojas vendem aguardentes dos alambiques da região. 

Interessados na rica história local podem visitar o Museu de Arte Sacra, o Museu do Território e a Casa da Cultura. Ateliês em casinhas centenárias surpreendem quem gosta de arte. Paraty tornou-se um polo cultural importante desde que, em 2003, a FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty) se instalou por lá. A cidade não fica só na literatura: Folia de Reis, Festa do Divino e Festival da Cachaça são alguns eventos fixos ao longo do ano. 

Não perca

Os passeios de barco. Escunas partem do cais do centro histórico diariamente, por volta das 10 horas. Há também baleeiros, barcos pesqueiros adaptados para o turismo, para locação exclusiva. A bela Praia do Sono está a 50 minutos de caminhada, por trilha, a partir da Vila do Oratório.

Evite

Se hospedar em Trindade no feriado se você quer sossego. A vila caiçara, a cerca de 25 quilômetros do centro (há ônibus de hora em hora desde a rodoviária), superlota nas folgas prolongadas. 

Dicas de economia

Basta sair da área cercada do centro histórico, onde não passam carros, para as diárias de pousadas baixarem um pouco. Passeio de barco também deve ser pesquisado – e pechinchado. / DANIEL LISBOA, ESPECIAL PARA O ESTADO

 

Palácio de Vidro, cartão-postal de Curitiba. 

Palácio de Vidro, cartão-postal de Curitiba.  Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters

CURITIBA

Principais atrações 

Curitiba é famosa pela qualidade de vida e pela preservação do meio ambiente – é considerada a capital mais verde do Brasil. A cidade hoje aposta em gastronomia para atrair visitantes. À parte os restaurantes de imigrantes de Santa Felicidade, a chef Manu Buffara (restaurantemanu.com.br) e várias cervejarias artesanais no bairro do Batel fisgam o público pelo estômago. O cartão-postal da cidade, o Palácio de Vidro, funciona como estufa e fica dentro do Jardim Botânico. Pode ser visitado também em ônibus hop on-hop off ( bit.ly/buscuritiba), que leva ainda às Ruas das Flores e 24 Horas, à Ópera de Arame, à Pedreira Paulo Leminski, ao Museu Oscar Niemeyer e a parques como o Tanguá e Barigui. 

Não perca

Sábado é dia de feira ao ar livre e música na Praça da Espanha, no Batel. Se interessar, faça o tour pelos pontos relacionados à Operação Lava Jato, cujo quartel-general é Curitiba: bit.ly/buscuritiba.

Evite

Deixar para última hora a compra dos bilhetes do imperdível passeio de trem até Morretes pelo Serra Verde Express.

Dica de economia

Diárias dos hotéis baixam no fim de semana, e você poupa ainda mais se ficar no centrão.

Site: turismo.curitiba.pr.gov.br. / BRUNA TONI

Corpus Christi - 16/6 - 4 dias

Cuzco e Machu Picchu e Nordeste Junino

'Cholas' vestem trajes típicos em Cuzco. 

'Cholas' vestem trajes típicos em Cuzco.  Foto: Sergio Neves/Estadão

CUZCO E MACHU PICCHU

Principais atrações

Quatro dias vai ser um pouco corrido para esta viagem, mas ela é viável. Vá direto para Cuzco, sem parar na capital Lima – se puder, embarque na quarta-feira para ganhar um dia a mais. 

Cuzco é a cidade para se habituar à altitude e à cultura inca. A infraestrutura turística é excelente, com hotéis e hostels, bares, restaurantes, agências de viagem e muitas baladas. Vá devagar no pisco sauer, o drinque típico: o álcool atrapalha na aclimatação (Cuzco está 3.400 metros acima do nível do mar). Melhor investir nas comidas leves e líquidos quentes, inclusive o chá de coca – que não tem nada de alucinógeno. 

No primeiro dia, visite o centro histórico, com heranças da colonização espanhola e as da época em que Cuzco era o centro do império inca. Não à toa, a cidade é hoje patrimônio da humanidade.

Para chegar a Machu Picchu, é preciso ir de trem a Aguas Calientes e, de lá, subir de ônibus para a cidadela. Compre os ingressos em incarail.com ou perurail.com. Dá para ir e voltar no mesmo dia, mas será preciso paciência para entrar em Machu Picchu quando todo mundo desembarcar ao mesmo tempo. Compre antecipadamente o ingresso para o sítio histórico em machupicchu.gob.pe.

Não perca

O clássico tour pelo Vale Sagrado. Compre o boleto turístico (há dois tipos, de 70 e de 130 soles, R$ 67 a R$ 125, de acordo com as atrações visitadas; cosituc.gob. pe). As ruínas históricas mostram a importância de Cuzco na ascensão e queda do império inca.

Se tiver tempo, durma uma noite em Aguas Calientes para subir a Machu Picchu nos primeiros ônibus, antes do amanhecer, e ver o sol nascer na montanha sagrada.

Evite

Ir de dezembro a março; chove muito e há casos de deslizamento na linha férrea.

Dica de economia

Leve cartão de crédito e dólares para trocar por soles em território peruano; o real é muito desvalorizado e a perda será maior do que fazendo dois câmbios.

Site: peru.travel. / ADRIANA MOREIRA

 

Em Caruaru, vários polos diversificam a festa junina.

Em Caruaru, vários polos diversificam a festa junina. Foto: Paulo Vítor/Estadão

NORDESTE JUNINO

Principais atrações

Como este ano o feriado de Corpus Christi cai em junho, fica perfeito para curtir uma festa junina à moda nordestina. Além dos festejos famosos de Campina Grande (PB) e Caruaru (PE), cidades como Aracaju (SE) e Mossoró (RN) também realizam eventos. 

Campina Grande e Caruaru disputam os principais shows – Elba Ramalho e Alceu Valença são figurinhas carimbadas em ambas –, além de nomes do momento do sertanejo. Mossoró, que há alguns anos tenta entrar na briga pelo título de Maior São João do Mundo, também tem shows de peso. Em Aracaju, a festa é menor, mas também bastante concorrida, e o ponto forte são as quadrilhas.

As festas de Campina Grande e Caruaru têm vários polos: para dançar um forrozinho gostoso sem tanta muvuca; ver apresentações de quadrilhas; comprar artesanato típico. As barracas de comida se destacam com quitutes como pé de moleque e pamonha. Em Caruaru, há a tradição de se preparar comidas gigantes: o maior cuscuz do mundo, o maior bolo de milho e por aí vai.

Dá para esticar até a praia. De Caruaru a Recife são duas horas de carro, e 2h30 a Porto de Galinhas. De Campina Grande a João Pessoa, menos de duas horas.

Não perca

A Feira de Caruaru, que virou patrimônio imaterial pelo Iphan. É possível encontrar comidas, artesanato, curiosidades...

Evite

Se estressar. As festas são lotadas e não adianta reclamar das filas ou do trânsito intenso.

Dicas de economia

Se hospedar em Caruaru e Campina Grande é mais barato durante a semana. Aracaju é uma cidade mais barata para uma noção básica de festa junina nordestina. 

Sites: saojoaodecampina.com.br; saojoao.caruaru.pe.gov.br; mossorocidadejunina.com.br. / ADRIANA MOREIRA

Independência - 7/9 - 4 dias

Rio Quente e Mendoza

Hot Park, para curtir fortes emoções ou apenas relaxar. 

Hot Park, para curtir fortes emoções ou apenas relaxar.  Foto: Divulgação

 

Principais atrações

Rio Quente é uma cidadela no sul de Goiás, com população que não chega a 4 mil habitantes e cujo sobrenome bem poderia ser “Resort”, tamanha a importância para a economia local do complexo aquático que começou a ganhar forma por lá na década de 1960 e, hoje, conta com três parques temáticos e oito hotéis. O Rio Quente Resorts tem várias atrações em um só lugar. Por isso, passar os quatro dias do feriado dentro dele não será exagero, apesar de valer dar uma escapulida para conhecer a cidade e as redondezas. 

No Hot Park há opções radicais, como o toboágua de 32 metros de altura e 146 metros de comprimento, e tranquilas, como a Praia do Cerrado, a maior de águas termais do mundo. Para os pequenos, na área do Hotibum são oito toboáguas. O Parque das Fontes concentra as piscinas naturais de águas com temperatura de 37 graus, além de duchas, saunas, ofurôs e as 18 fontes responsáveis por abastecerem todo o complexo. Por fim, o Eko Aventura Park tem atividades como andar de quadriciclo, tirolesa e rafting.

Não perca

O Parque Estadual Serra de Caldas, que começa na vizinha Caldas Novas e se estende até Rio Quente. Com uma área de mais de 12 milhões de hectares, é ali que o processo de aquecimento das águas da região ocorre naturalmente. Em meio à vegetação do cerrado, duas trilhas levam a mirantes e cachoeiras e, no alto de seus 1.043 metros de altura, é possível ver Rio Quente inteira.

Com tempo, visite também Caldas Novas, a maior estância de águas termais do País, a meia hora de Rio Quente, com outros dois parques aquáticos, o diRoma Acqua Park e o Lagoa Termas Parque. 

Evite

Esquecer protetor solar, chinelos e saída de banho. Tudo custa mais caro dentro do resort.  

Dica de economia

A diária do Rio Quente Resorts pode até sair um pouco mais cara que as outras da cidade, mas garante passe livre para os três parques. No fim, compensa. 

 

Site: rioquenteturismo.com.br. / BRUNA TONI 

 

No Vale do Uco, bodegas têm os Andes como cenário.

No Vale do Uco, bodegas têm os Andes como cenário. Foto: Mônica Nobrega/Estadão

MENDOZA

Principais atrações

Visitar vinícolas. A província de Mendoza tem mais de mil delas, cerca de 120 abertas ao turismo. São três regiões produtoras: Maipu, a 15 quilômetros da cidade de Mendoza, onde estão as potências Trapiche, Trivento e Zuccardi; Luján de Cuyo (Norton, Catena Zapata, Pulenta), a 25 quilômetros da capital; e Vale do Uco, a 1h30, com vocação para o luxo, tanto no estilo da produção do vinho quanto na hospedagem (O. Fournier, Salentein, Andeluna). 

Não perca

A hospedagem em hotéis rurais entre vinhedos na região de Luján de Cuyo, como o Entre Cielos e o Cavas Wine Lodge. Para as outras duas noites, escolha um dos hotéis em torno da Praça Independência, na cidade de Mendoza, e coma no restaurante Cordillera (Av. Belgrano, 1028). 

Evite

Alugar carro. Dirigir é má ideia em um lugar onde a diversão é beber vinho. Compre passeios com transporte ou contrate um motorista particular, conhecido como remis, indicado pelo hotel. 

Dica de economia

O hostel Bed for Wine (54-261-425-4674)é bonitinho, limpo, tem diárias desde R$ 30 em quarto compartilhado e indica passeios mais em conta às vinícolas. 

Site: turismo.mendoza.gov.ar. / MÔNICA NOBREGA

Nossa Senhora Aparecida - 12/10 - 4 dias

Punta Cana e Região dos Lagos

Punta Cana tem mais de 40 resorts à beira-mar. 

Punta Cana tem mais de 40 resorts à beira-mar.  Foto: Felipe Mortara/Estadão

PUNTA CANA

Principais atrações

Verdade seja dita: a maioria dos brasileiros sai pouco do resort, já que Punta Cana justamente se popularizou por seus hotéis all-inclusive. São mais de 40, de variadas faixas de preços e estilos. Ilha Saona, Ilha Catalina (desde o píer de Bayahibe), famosa pelas belas praias de águas cristalinas, nado com golfinhos e leões-marinhos na Dolphin Island, os corais do parque Marinarium e o Seaquarium são os principais programas. O Manati Park tem minizoo e shows de golfinhos. Todos os passeios são vendidos nos hotéis. 

Não perca

As águas absolutamente cristalinas dentro da caverna do belo Cenote Hoyo Azul, localizado dentro do Scape Park (US$ 60), em Juanillo. Com tempo, vá até a capital da República Dominica, Santo Domingo. A cidade mais antiga das Américas merece a visita. São três horas de carro. 

Evite 

Ir de agosto a novembro. Os meses são mais quentes e úmidos e há temporada de furacões. 

Dica de economia

Para quem pretende fazer vários passeios, comprá-los com a mesma agência local pode render bons descontos. 

Site: godominicanrepublic.com/pt. / MARI CAMPOS, ESPECIAL PARA O ESTADO

 

Búzios, Cabo Frio e Arraial do Cabo compõem a trinca da Região dos Lagos.

Búzios, Cabo Frio e Arraial do Cabo compõem a trinca da Região dos Lagos. Foto: Adriana Moreira/Estadão

REGIÃO DOS LAGOS

Principais atrações 

A vantagem da Região dos Lagos, no Rio de Janeiro, é que o trio de cidades – Arraial do Cabo, Búzios e Cabo Frio – se complementa turisticamente e cabe bem em quatro dias. A bela Arraial do Cabo é paraíso para mergulhadores, principalmente os de naufrágios, e conta com 13 operadoras que dão cursos a iniciantes. Da água para a terra, trilhas levam a picos impressionantes, com os da Ilha do Farol. 

Em Búzios, o negócio é badalar, comprar em lojas de grife e comer bem. São mais de 300 restaurantes, muitos com preços salgados, mas há opções mais em conta espalhadas pela Rua das Pedras, principal via turística. Ali perto fica a famosa estátua da atriz Brigitte Bardot, na orla que leva o nome da musa. 

Cabo Frio faz o meio de campo entre tranquilidade e boa infraestrutura. Tem 14 praias para agradar aos que querem sombra e água fresca, naturistas, surfistas, kite e windsurfistas, velejadores e adeptos da canoagem havaiana. Feche o dia com um passeio de barco pelo Dormitório das Garças, dentro do Parque da Costa do Sol.

Não perca 

A parte histórica de Cabo Frio, sétima cidade fundada no País, em 1615. Vá ao boêmio Bairro da Passagem. Visite também o Museu Internacional do Surf, dentro do Shopping Park Lagos, com 161 pranchas e quilhas expostas.

Evite

Ficar de praia em praia em Búzios durante a temporada. Por causa do trânsito intenso, melhor é escolher uma, chegar cedo e passar o dia. 

Dicas de economia

Arraial do Cabo tem as diárias mais baratas. Cabo Frio é intermediária e Búzios, a mais cara. 

Leia mais sobre a Região dos Lagos:  bit.ly/riolagos ./ BRUNA TONI 

Finados - 2/11 - 4 dias

Gramado e Ilha do Cardoso

Natal Luz, principal evento do ano na cidade, vai de outubro a janeiro. 

Natal Luz, principal evento do ano na cidade, vai de outubro a janeiro.  Foto: Cleiton Thiele/Serra Press/Divulgação

GRAMADO

Principais atrações

Na serra, com casas em estilo enxaimel, hortênsias, araucárias e pinheiros, Gramado tem mesmo paisagens que parecem filme ou pintura. Do pórtico da cidade ao Lago Joaquina Rita Bier e ao belíssimo Lago Negro, tudo vale selfie. Somam-se a isso opções gastronômicas (do farto café colonial servido a cada esquina aos ótimos restaurantes alemães, italianos e portugueses), compras (entre lojas de cristais, de malhas e chocolaterias), os vinhedos dos arredores e o intenso calendário de eventos e, pronto: está justificada a preferência dos brasileiros pelo turismo em Gramado. 

O Belvedere do Vale do Quilombo (grátis), a 850 metros de altitude, merece destaque. Os vitrais da igreja São Pedro, a igreja do Relógio e o Palácio dos Festivais também valem visita, assim como o Snowland, o primeiro parque de neve indoor das Américas, e o parque temático Mundo de Chocolate, todo dedicado à iguaria. A Rua Coberta é opção para compras e gastronomia. Para os pequeninos, são a Aldeia do Papai Noel (R$ 20, no parque Knorr) e o Mini Mundo (R$18), com réplicas de castelos, ferrovias e teleféricos, os lugarzinhos mais encantadores. 

Novembro em Gramado tem ainda uma vantagem: o Natal Luz, que vai até janeiro, já terá começado.

Não perca

A vizinha Canela. A impressionante Cascata do Caracol é apontada entre as maiores belezas naturais do sul do Brasil. Se tiver tempo, visite também o Vale dos Vinhedos, nos arredores, perfeito para acompanhar de perto a produção dos espumantes e vinhos locais e degustar a produção das vinícolas da região. Em janeiro é possível também acompanhar a colheita. 

Evite

Viajar à cidade durante o Natal Luz sem fazer reserva de ingressos para os espetáculos, atrações turísticas mais concorridas (como o Mini Mundo) e para restaurantes. A cidade fica lotada e filas são comuns. 

Dica de economia

Hospedar-se em Canela, logo ao lado, costuma ser mais barato. 

Site: gramado.rs.gov.br/turismo. / MARI CAMPOS, ESPECIAL PARA O ESTADO

 

Marujá é a vila que concentra a infraestrutura mínima da ilha

Marujá é a vila que concentra a infraestrutura mínima da ilha Foto: Cecília Lisboa

ILHA DO CARDOSO

Principais atrações 

Marujá é a porta de entrada para a isolada ilha no litoral sul paulista. A comunidade tem cerca de 200 habitantes, 15 pousadas, uma dezena de bares e restaurantes e recebe 70% dos turistas (apenas 1.200 por vez). Para chegar, pegue a balsa da Dersa (2h30, R$ 55,90 cada trecho) ou voadoras de moradores (R$ 60 a R$ 70 por pessoa).

Também é no Marujá que os turistas negociam com barqueiros locais para fazer passeios pela ilha. Os píeres onde atracam os barcos ficam em um canal de água salobra onde é possível se banhar. Do lado oposto da comunidade está a praia, com 18 quilômetros de areia branca e mar agitado, que traz grande quantidade de dejetos de navios. Os objetos acabaram dando origem a um curioso museu na comunidade. 

Imperdíveis na ilha: a deserta Praia da Laje (40 minutos de trilha ou 5 de barco, R$ 15 a R$ 20); as praias Foles e Fole Pequeno (15 minutos de barco; R$ 40 a R$ 70); e a Cachoeira Grande (10 minutos de barco, R$ 30, e mais 20 de caminhada). 

Não perca

Ararapira, vila a dez minutos e R$ 20 de barco do Marujá que foi abandonada por seus moradores. Hoje, só uma pessoa vive lá: o “zelador” Josias. Pontal do Leste, para ver guarás e jacarés, e Enseada da Baleia, lar de uma pequena comunidade que vive do artesanato, merecem visitas. 

Evite

Se desesperar pelo sinal de celular, inexistente. Luz elétrica, só com gerador. Não vá fora de feriados se você faz questão de agito.

Dicas de economia

Há 70 campings no Marujá. Para itens básicos, abasteça-se antes nos supermercados de Cananeia. 

Central Telefônica do Marujá: (13) 3852-1161. / DANIEL LISBOA, ESPECIAL PARA O ESTADO

República - 15/11 - 1 dia

São Roque e Santos

Trabalhadores colhem as uvas na Vinícola Goés, em São Roque.

Trabalhadores colhem as uvas na Vinícola Goés, em São Roque. Foto: Valéria Gonçalvez/Estadão

SÃO ROQUE

Principais atrações

Dois caminhos levam a um bate-volta à Estância Turística de São Roque, a 1 hora da capital paulista. Pela Castello Branco, aproveite para conhecer dois outlets, o de eletroeletrônicos Liquitudo e o Catarina Fashion, com 105 lojas de roupas, acessórios e artigos de decoração (Carolina Herrera, Adidas, Forever 21, Gap, Cecília Dale). Já a Rodovia Raposo Tavares dá fácil acesso à Estrada do Vinho, onde estão vinícolas, fazendinhas e restaurantes.

Na Góes, a maior e mais estruturada das vinícolas são-roquenses, há visitas guiadas pela vindima e áreas de produção que terminam em degustação. Combine o passeio com almoço em um dos restaurantes da estrada, com destaque para Vila Don Patto, Quinta do Olivardo e Cantina Tia Lina – é bom chegar cedo, já que as filas de espera costumam ser longas. Com crianças, vale também a parada em fazendinhas como a Angolana e a Santa Adélia. Mais: roteirodovinho.com.br

Ainda é possível passar o dia esquiando e brincando de tirolesa e arvorismo no Ski Mountain Park, com fácil acesso pelas duas rodovias.  

Não perca 

No centro de São Roque está a estilosa cervejaria La Maison de la Biére e a loja de quitutes artesanais Nonna Nunziata, cuja dona, uma italiana de 78 anos, prepara pessoalmente molhos, geleias, biscoitos e conservas (incluindo as deliciosas de alcachofra) diariamente. O Morro do Saboó tem trilha que termina com uma bela vista panorâmica de São Roque, Mairinque, Itu e Sorocaba. 

Dica de economia

Novembro é fim da temporada de alcachofra: é possível comprar o vegetal a valores mais baixos que nos supermercados de São Paulo. / BRUNA TONI 

 

Praia do José Menino tem boas ondas e atrai surfistas. 

Praia do José Menino tem boas ondas e atrai surfistas.  Foto: Ernesto Rodrigues/Estadão

SANTOS

Principais atrações

Só a chance de pedalar, caminhar ou correr à beira-mar no maior e mais bonito jardim de praia do mundo – são 5,5 quilômetros contínuos – já vale o bate-volta a Santos. Esquentou? A orla é toda equipada com chuveiros de uso gratuito. Um luxo. 

A faixa de areia é contínua, mas sua ocupação, bastante variada. Ao lado do emissário submarino, na divisa com São Vicente, estão os surfistas. No Gonzaga, os eventos e esportes na areia. A juventude sarada fica pelos arredores da Rua da Paz e da Confeitaria Joinville. No Canal 5, o clima é família e, dali pra frente, imperam as caminhadas até o calçadão da Ponta da Praia (passando pelo Aquário de Santos), a paisagem mais bonita da cidade, de onde se assiste ao pôr do sol. 

Mate a fome pós-praia com o bolinho de bacalhau do Bar do Toninho (Av. Dr. Epitácio Pessoa, 241), uma instituição santista. Para uma refeição completa, o Fernando Pessoa profissionaliza a inclinação santista para a culinária portuguesa.

A porção histórica está no centro. Da Praça Mauá partem os bondes que fazem city tour: Bolsa Oficial de Café, Complexo do Carmo, Valongo. Na lendária Vila Belmiro, casa do Santos, visite o Memorial das Conquistas

Não perca

O Museu Pelé, atração mais nova de Santos, fica em um dos casarões do século 19 do Valongo: museupele.org.br.

Evite

Os congestionamentos no Sistema Anchieta-Imigrantes acompanhando as informações em tempo real em Ecovias.com.br e no Twitter.com/_ecovias

Site: turismosantos.com.br. / MÔNICA NOBREGA


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.