Onde visitar seu personagem favorito

A tecnologia dispensada para criar as atrações do Castelo de Hogwarts e da mágica Hogsmeade certamente vai deixar os fãs de Harry Potter boquiabertos. Mas não é de hoje que, de olho nos aficionados (e em seu potencial de consumo), são criados parques dedicados a personagens da ficção.

ORLANDO, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2010 | 01h56

A Disney World é o exemplo mais famoso. Mickey e sua turma se transformaram em tamanha febre que conquistaram filiais no mundo todo. Da primeira versão em Anaheim, Califórnia, ganhou sucursais em Orlando, ainda nos Estados Unidos, depois Paris e Hong Kong.

O Mickey pode ser o personagem-símbolo, mas não há imagem que caracteriza melhor os parques Disney que o castelo da Cinderela. De fato, a gata borralheira seguirá sendo a rainha do Magic Kingdom, em Orlando. Mas a Disney já iniciou as obras para aquela que será a principal novidade nos próximos anos: uma atração que tem como personagem principal a doce Bela.

O castelo, de fato, não será tão grandioso como o de Cinderela. Mas irá proporcionar aos visitantes 12 minutos de atividades, nos quais se poderá passar pela casa do pai da Bela, pelo jardim e pelo castelo da Fera. Um restaurante francês será instalado na área.

A pequena sereia Ariel também ganhará casa nova em Fantasyland, bem mais incrementada que a antiga caverna na qual ela recebia as crianças. A atração mostrará, com bonecos animados, as melhores cenas do filme. As inaugurações estão previstas para 2012.

Até o próximo ano, outra atração que deverá ser remodelada na Disney é a Star Wars, com participação do diretor George Lucas, com direito a um simulador (em 3-D, é claro) para pilotar as naves ultravelozes.

Responsável pela nova atração do Harry Potter, a Universal inaugurou recentemente - a um custo de US$ 4,4 bilhões - um parque com sete áreas temáticas em Cingapura. Uma delas, chamada Far Far Away, é inteiramente dedicada ao filme Shrek. Menos conhecidos, os parques de Asterix, Hello Kitty e Alice também têm público cativo, como você pode ver a seguir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.