Stefan Wermuth/Reuters
Stefan Wermuth/Reuters

Os passos de Jane Austen em Bath

A 160 km da capital inglesa e Patrimônio da Unesco, Bath faz convite a andar pelos caminhos da escritora, morta há 200 anos

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

11 Abril 2017 | 04h30

“Você está andando pelo mesmo caminho em que Jane Austen andou. E provavelmente se inspirou”, me disse o guia Tony Abbott durante visita à aconchegante Bath, a 160 quilômetros de Londres. Visitar a cidade, Patrimônio da Unesco, é muito mais: é dançar como ela dançou, beber chá como bebeu, admirar a arquitetura georgiana e até sentir os aromas da época da escritora, morta há exatos 200 anos. 

Sim, houve mudanças desde então: com os £ 10 mil anuais do “milionário” sr. Darcy, de Orgulho e Preconceito, mal dá para pagar o aluguel – a cidade é uma das mais caras do país. Mas, para o turista, os custos são semelhantes aos da capital. 

O caminho citado pelo guia é um pequeno trecho de terra que liga o centro da cidade ao Royal Crescent, uma das obras arquitetônicas mais importantes do país. Faça um breve desvio e conheça o modesto Georgian Garden, que rende uma bela vista das casas da cidade e faz lembrar os cenários de Abadia de Northanger e Persuasão – nos filmes, os personagens passam por ali em suas carruagens.

O Royal Crescent foi construído entre 1767 e 1775 e é composto por dezenas de casas, em um dos modelos mais bem definidos da arquitetura georgiana no Reino Unido. Praticamente todos os imóveis, que podem custar mais de R$ 10 milhões, são privados. Mas o primeiro prédio da fila, conhecido como Nº 1, é um museu ( no1royalcrescent.org.uk) que nos apresenta à vida de um abastado morador de Bath do fim do século 18. 

Logo ao lado está o icônico The Circus, elaborado pelo arquiteto John Wood the Elder e completado por seu filho, John Wood the Younger, o mesmo responsável pelo Royal Crescent. A inspiração dos especialistas veio do formato arredondado do Coliseu romano. 

Os Assembly Rooms também merecem destaque. Ali a sociedade de Bath realizava bailes, concertos e outros eventos da nobreza. Mencionado em Persuasão, quando dois personagens vão a um concerto, o local é também um dos pontos favoritos de Catherine Morland em Abadia de Northanger

Antigos perfumes. Dizer que é possível sentir o cheiro da antiga Bath não é exagero. Esta é uma das experiências do Jane Austen’s Center (£ 11 ou R$ 42; janeausten.co.uk), principal exibição permanente da escritora no país. Em uma das alas do casarão, há uma série de frascos com colônias que, segundo os organizadores, têm aromas semelhantes às usadas pelos moradores na época de Austen.

O local oferece uma imersão na obra de Austen: quadros mostram a relação da escritora, que viveu ali de 1801 a 1805, com todos os pontos da cidade. Se você não a conhece tão a fundo, não se preocupe: na entrada há uma pequena “aula” sobre a história da escritora e um filme sobre sua vida na cidade. Outro destaque é a sala de fantasias: ali, você pode se vestir como um dos personagens dos livros de Jane Austen. 

 

DICAS

Banhos termais: Bath ganhou esse nome graças às suas águas termais, descobertas pelos romanos na Antiguidade. A fonte ainda é preservada, embora sem uso para banho – o local é hoje um museu (mais informações no site oficial do turismo local, visitbath.co.uk). Para um banho de verdade, vá ao Thermae Bath Spa.

Festival: em setembro (este ano, de 8 a 17), o Jane Austen Festival é uma tradição em Bath. Em razão do bicentenário da morte da escritora, haverá uma programação especial, com mais de 70 atividades. Antes, em julho, um baile celebra o livro Abadia de Northanger e a obra da autora. Mais: janeaustenfestivalbath.co.uk.

Mais conteúdo sobre:
Inglaterra Londres Jane Austen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.