Cristiano Dias/Estadão
Cristiano Dias/Estadão

Paisagem de cinema

Paul Newman leva Katharine Ross gentilmente na garupa de uma bicicleta, Kevin Bacon causa uma convulsão social ao rebolar ao som de Footloose numa cidade do interior e Michael J. Fox acelera um DeLorean para fugir dos índios no meio do deserto. Existe pelo menos uma lembrança de Utah guardada na memória das pessoas, mesmo que ninguém se dê conta disso.

CRISTIANO DIAS, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2012 | 02h12

Utah é uma coleção de raridades de naipes diferentes. São cinco parques nacionais entrecruzados por áreas de proteção ambiental, florestas e monumentos nacionais, parques tribais, estaduais e áreas selvagens. Um gigantesco lago salgado, diferentes cordilheiras, estações de esqui e rios ziguezagueando cânions cercados de desertos.

A diversão, no entanto, transcende a paisagem. Em Utah esconde-se a América profunda dos motéis de beira de estrada, das cidades pequenas, da Coca-Cola em garrafinhas de vidro, das lanchonetes com poltronas de couro vermelho, dos tratores em fazendas, dos campings com trailers, motorhomes e dos vestígios do Velho Oeste. O cheiro de um país que sentimos no cinema, mas que nunca encontramos em megacidades como Nova York, Los Angeles ou Miami.

Nada contra o cosmopolitismo que faz o viajante se sentir conectado com o mundo, mas Utah atua no sentido oposto. Vale mais a conexão com a terra e a disposição para caminhar entre a imensidão da paisagem, que retribui o esforço com uma surpreendente sensação de isolamento.

No sudoeste americano, a marca mais impressionante é a generosidade de espaço. As cidades se espalham na horizontal, o que faz do carro um bem de primeira necessidade. Há tantas vagas em hotéis, shoppings, lojas e centros comerciais que o incauto visitante duvida que a vida não seja um constante feriado.

Se a vasta dimensão das coisas potencializa o distanciamento das angústias urbanas, a frouxidão do espaço também atrai quem viaja em família. Quartos de hotel são apartamentos, sobram camas de casal, varandas e banheiros. Não que sejam luxuosos. No interior de Utah, muitos apenas cumprem a função básica de proporcionar uma boa noite de sono. No entanto, como todos os lugares empurram o visitante para fora da cama, chega a ser abuso exigir mais do que isso. Em outros pontos, como Park City, o padrão sobe muitos degraus até chegar ao clímax do requinte e do charme no Sundance Resort, capitaneado pelo ator Robert Redford.

Muito além da paz de espírito, Utah não é apenas a terra prometida dos mórmons, mas também a meca dos esportes em qualquer estação. No verão, a cartilha inclui golfe, mountain bike, rafting, escalada, rapel, canyoning, caminhada, montaria e pesca. Livres do calor e dos turistas, primavera e outono intensificam essa lista de prazeres, que cresce, no inverno, com a chegada da temporada de esqui e de snowboard.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.