Pausa para um cafezinho e algo mais

Entre uma caminhada e um museu, entre um parque e uma livraria, a pausa para um cafezinho repõe as energias. E não faltam espaços bacanas na cidade - especialmente no bairro de Malasaña, pertinho da onipresente Gran Vía e da Praça Espanha.

O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2014 | 02h06

O Café Aiò (Rua Corredera Baja de San Pablo, 25), montado por um casal da italiana Sardenha, tem belos móveis reciclados e estacionamento para bicicletas no subsolo. Além da excelência italiana em expressos e massas, a cozinha sobra em dotes confeiteiros, demonstrados nos bolos de cenoura com canela ou no Red Velvet.

Próximo dali, o Café Lolina (Rua Espíritu Santo, 9) leva o culto ao vintage a sério e oferece tanto um térreo arejado, com ampla vista para o vaivém de Malasaña, como um subsolo recolhido e congestionado por sofás antigos. No cardápio, atente para a oferta de boas torradas e menu de café da manhã.

Entre os espaços ao ar livre, nenhum se compara ao Café del Jardín (Rua San Mateo, 13), em um pequeno jardim frondoso e silencioso dentro do Museu del Romanticismo (museoromanticismo.mcu.es), alheio ao ambiente permanentemente agitado do bairro. Aproveite para dar um pulinho neste museu especializado na época do romatismo, pouco procurado pelos turistas e com um belo acervo de quadros (incluindo obras de Goya) e peças de época. Entrada: 3.

Fora de Malasañas, há outros achados espalhados pela capital espanhola. O Café Matilda (Rua de Almadén, 15), um pequeno ambiente decorado em branco, azul-celeste e vermelho-Almodóvar, tem uma estante de livros para passar o tempo e cardápio caseiro, que muda diariamente. São deliciosas receitas antigas, herdadas da abuela de um dos donos, sem fritura e acompanhadas de pão assado no forno à lenha. O suquet de sépia (tipo de lula ensopada com legumes) é inesquecível./ T.M. e G.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.