Piraí: feijoada de tilápia e outras delícias

SP - Piraí: 338 km

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

12 Julho 2016 | 04h50

PIRAÍ - Sabe aquela história de que a feijoada foi um prato criado pelos negros escravizados com os pedaços de carne que eram dispensadas pela casa-grande? Pois tudo isso será desfeito em poucos minutos, antes do almoço na Casa do Manequinho, em Piraí.

Localizado no município mais próximo a São Paulo – são 338 quilômetros e cerca de 4 horas de viagem –, o hotel e restaurante entrou para o roteiro imperial pela cozinha. Numa releitura do prato mais popular do Brasil, nascido de fato no século 19, mas não na senzala e sim nas mesas dos restaurantes frequentados pela elite, a chef Ana Paula Hack, neta de Manequinho, inventou a feijoada de tilápia e macadâmia.

A presença do peixe e do fruto no prato tipicamente gordo não é um desaforo. Não em Piraí, principal beneficiador de tilápia do Estado do Rio e um dos principais produtores de macadâmia do País. Ainda assim parece não fazer sentido para o paladar? Espere até ver a cumbuca borbulhando com a feijoada, vencedora do Festival Gastronômico da cidade em 2002.

Feijoada de peixe? Para deixar o prato com a cara da região, sem perder o foco histórico, Ana Paula trocou o feijão preto pelo branco, os pedaços do porco por tilápia e linguiça defumadas e o torresmo por uma pururuca feita com a crosta do peixe. O arroz incorporou o aroma da laranja e a farofa é preparada com a macadâmia. Tudo acompanhado pela clássica caipirinha e por um licor – para iniciar os trabalhos – também de macadâmia. Custa R$ 33,90 por pessoa (R$ 70 se quiser toda a explicação histórica do prato) , todos os fins de semana ou em dias específicos mediante agendamento.

A simpática Casa do Manequinho, administrada pela irmã de Ana Paula, Letícia Hack, funciona também como hotel e oferece outros pratos além da feijoada (de R$ 18,50 a R$ 37). 

Antes ou depois de forrar o estômago, a parada por Piraí pode incluir ainda uma caminhada despretensiosa pela cidade – há o Parque Florestal Mata do Amador e o Lago do Caiçara, a Praça Getúlio Vargas e a Igreja de Santana, onde tudo começou, lá por volta de 1830.

Outro local interessante é o Condomínio da Arte, um projeto municipal criado em 1998 que oferece oficinas de diferentes tipos de arte e insere artesãos de Piraí no mercado de trabalho. 

Vale ainda checar se o Casarão de Arrozal, antiga sede da Fazenda Cachoeira, transformada em centro cultural, já voltou à ativa após as reformas.

AGENDA DE PIRAÍ

Festival de Caldos

Ocorre nas noites de quintas e sábados (para outros dias, agende) na Casa do Manequinho, entre 19h e 22h30. R$ 22,90 o bufê self-service com seis tipos de sopas. Até 31 de agosto.

HOTÉIS EM PIRAÍ

Hotel e Restaurante Casa do Manequinho: diárias de R$ 190 a R$ 250.

DISTÂNCIAS A PARTIR DE PIRAÍ:

SP - Piraí: 338 km

Rio - Piraí: 100 km

​Piraí- Barra do Piraí: 27 km

Piraí - Vassouras: 44 km

Piraí - Valença: 61 km

Piraí - Rio das Flores: 82 km

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.