Viagem

Proclamação da República - 12 a 15 de novembro

Visite Foz do Iguaçu ou Montevidéu

05/01/2016 | 05h00    

Adriana Moreira e Mônica Nóbrega - O Estado de S. Paulo

FOZ DO IGUAÇU

Arco-íris sobre as Cataratas

Arco-íris sobre as Cataratas Foto: Jorge Adorno|Reuters

Foz do Iguaçu tem atrações para os quatro dias do feriado – ou até em uma semana. Tudo vai depender dos seus interesses. De qualquer forma, programe ao menos um dia inteiro no Parque Nacional do lado brasileiro (cataratasdoiguacu.com.br; R$ 33,30), e outro do lado argentino. Para atravessar a fronteira, lembre-se de levar o passaporte ou o RG (com menos de 10 anos), já que a carta de motorista não é aceita pelos agentes.

O lado brasileiro tem Macuco Safári para chegar pertinho das quedas d’água (R$ 179), trilhas repletas de borboletas e quatis ávidos para roubar comida da sua bolsa – não os alimente e não se distraia. Os mirantes mostram todo o esplendor das cataratas e, se puder, faça também o sobrevoo de helicóptero (em média, R$ 300). Parece caro, mas lá do alto você percebe que valeu cada centavo. Conheça ainda o Parque das Aves (R$ 24), um viveiro com 1.020 pássaros de 150 espécies. Com um dia extra, dê uma esticadinha para visitar a Usina de Itaipu.

Cruzando a fronteira para o Parque Iguazu (200 pesos ou R$ 80), o mais impressionante é a trilha suspensa sobre as cataratas até a Garganta do Diabo, onde as águas se fundem e é impossível não se molhar. Há também outras trilhas, um trenzinho e uma versão do Macuco Safári, mais barata (mas que já teve problemas de segurança). Na volta, dá para fazer comprinhas no duty free. /ADRIANA MOREIRA

MONTEVIDÉU

O tour em Montevidéu começa na Cidade Velha

O tour em Montevidéu começa na Cidade Velha Foto: Divulgação

Cerca de três horas de voo desde São Paulo, charme e sabor de sobra e temperaturas amenas fazem Montevidéu caber confortavelmente na folga de quatro dias. E com bônus: dá tempo até de fazer um bate-volta a Punta del Este. Oba!

O tour em Montevidéu começa na Cidade Velha. É onde estão o Teatro Solís (60 pesos a visita guiada ou R$ 7,65), a torre gótica do Palácio Salvo, o Museu Torres García (100 pesos, R$ 12,70) e o programa indispensável por ali, o Mercado del Puerto, aonde se vai para almoçar churrasco vendo as grelhas assarem carnes bem diante dos olhos. 

Ainda no tema comer, o epicentro da gastronomia contemporânea – e das baladas – são os bairros de Pocitos e Buceo. E, na terra das uvas tannat, não deixe de visitar uma vinícola do entorno, como a Bodega Bouza.

O calçadão à beira do Rio da Prata – a Rambla – atrai caminhantes e o pessoal que vai curtir o pôr do sol. Outro passeio típico é o Estádio Centenário, que recebeu a final da primeira edição da Copa do Mundo de futebol, em 1930 – os donos da casa venceram a Argentina por 4 a 2. É possível chegar lá também em um city tour do tipo hop-on hop-off com o Bus Turístico (desde 546 pesos, R$ 69,40). 

Antes de partir, a Feira de Tristan Narvaja, realizada na Avenida 18 de Julio no domingo de manhã, é boa para garimpar souvenirs. /MÔNICA NOBREGA


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.