Cleiton Thiele/Serra Press/Divulgação
Cleiton Thiele/Serra Press/Divulgação

Produção caprichada nos palcos para uma plateia de todas as idades

Em cima do palco, ela é Sofia, a garotinha que, por não acreditar mais em Papai Noel, acaba fazendo com que a Fantástica Fábrica de Natal, onde os brinquedos são produzidos, pare de funcionar às vésperas da data festiva. Mas isso é só teatro para Giada Salamini, que aos 9 anos diz crer, sim, no bom velhinho. "Eu sei que este da Fábrica é de mentira. O verdadeiro é aquele do carro das renas do Grande Desfile", explica a pequena atriz.

GRAMADO, Bruna Tiussu /O Estado de S.Paulo

11 Dezembro 2012 | 02h08

Adotando como tema a questão lúdica da figura de Noel que toda criança experimenta, este é o espetáculo do Natal Luz mais indicado aos turistas mirins. Com cerca de 50 minutos de duração - e ingressos de R$ 55 a R$ 230 -, o show faz um convite a viajar de volta aos sonhos e crenças infantis.

São 49 pessoas no elenco, com figurinos ultracoloridos, atuando em um cenário mágico repleto de efeitos especiais. Ali, duendes do Papai Noel dão piruetas, enfeites de árvores de Natal escorregam por tecidos e as renas puxam o trenó penduradas em trapézios. Novamente, são técnicas de circo, dança de rua e aérea combinadas para enriquecer o show.

Realizado no Carrière, ao lado do Lago Negro, outro ponto turístico da cidade, o espetáculo tem a vantagem de ser apresentado em um palco coberto, em uma estrutura com capacidade para 3.400 pessoas.

'Nativitaten'. Uma primeira bateria de fogos anuncia o início do espetáculo. Em seguida, o coral posicionado num palco elevado solta a voz com energia contagiante, enquanto músicos, bailarinos e acrobatas chegam de barquinho até suas bases circulares, instaladas nas águas do Lago Joaquina Rita Bier.

Uma sequência composta por músicas clássicas e sucessos pop - até Imagine, dos Beatles, está no repertório - é o que dá corpo ao Nativitaten, atração menos natalina, por assim dizer, do Natal Luz. Entre uma canção e outra, shows pirotécnicos de cores e ruídos variados dão o tom de um pré-réveillon, e fazem todas as cabeças da plateia mirarem o céu.

No meio de tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, vale reparar nos movimentos do grupo de percussão, que tira som de tambores com água. Ou ainda dar atenção especial ao pianista, que toca lindamente um instrumento todo cheio de luzinhas.

Com arquibancadas tomando conta do contorno do lago - toda sorte para espantar a chuva é bem-vinda -, não existe lugar ruim para apreciar o Nativitaten. Os ingressos custam de R$ 55 a R$ 230.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.