Próximas taxas nos aviões

O sarcasmo é a marca da correspondência que nos envia hoje, de alguma parte desconhecida do planeta, o maior viajante do mundo. Ou será que ele tem razão?

Mr. Miles, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2010 | 02h42

Mr. Miles: soube que, agora, as companhias aéreas querem cobrar taxas para permitir aos passageiros marcar os assentos em alguns voos. O senhor não acha que isso está indo longe demais?

Márcio Bonaventi, por e-mail

"Well, my friend: unfortunately, a ideia é esta mesmo. Desconfio que está em andamento um plano para que, lenta e gradualmente, os passageiros sejam cada vez mais esfolados - antes, durante e depois de suas viagens aéreas.

Senão, vejamos: houve um tempo (believe me!) em que entrar em um avião era uma experiência glamourosa e sofisticada. As aeromoças e os comissários esmeravam-se para atender às vontades dos passageiros. Discretos e sorridentes, atuavam como butlers de um grande hotel, servindo bebidas com fartura e o melhor tipo de refeição que a situação permitia, mesmo em voos locais ou na classe econômica.

O padrão vem sendo reduzido há décadas, em parte pela queda de preços provocada pela concorrência e, of course, também pela necessidade de atrair capital especulativo - o que só se consegue com as ações subindo.

Então vieram as abomináveis mudanças: barras de cereais (que um velho amigo chama de cereal killers), lanches pagos a bordo, taxas para despachar malas e, agora, essa taxa para marcar assento - que soa como uma ameaça em caso de overbooking. I"m very sorry to say, mas as perspectivas não são das melhores. Já estive pensando nos próximos adicionais que o tempo trará e aproveito para deixá-los como sugestões aos executivos das companhias aéreas.

A primeira delas, já mencionada neste espaço, será a implantação da minutagem no uso dos toaletes de bordo. Com a instalação de um simples temporizador, o passageiro necessitado pagará pelo tempo que despender no reservado. Nos voos longos, torna-se óbvia a implantação de um encargo para o uso de cobertores. Caso a procura seja pequena, bastará ao comissário diminuir a temperatura da cabine. O mesmo será feito com travesseiros e audiofones. A luz de leitura, então, já é caso resolvido: só se acenderá com a devida remuneração.

Mas não é só: as companhias mais ladinas, for sure, descobrirão a vantagem de implantar uma tarifa, pequena que seja, para quem quiser reclinar seu assento. E, by the way, o mesmo mecanismo pode ser aplicado àqueles que desejarem utilizar-se das mesinhas situadas na frente de cada passageiro. Como não se pode mais levar líquidos a bordo, o preço das garrafinhas de água tende a subir vertiginosamente.

Já ouvi especulações sobre um possível adicional a ser cobrado para o uso de apoio de braços, que permanecerá travado em pé, caso o viajante não se interesse pelo serviço. Nessa hipótese, só poderia usá-lo o passageiro que pagou para liberá-lo. Mas as companhias aéreas não terão restrições ao uso compartilhado, desde que ambos os interessados façam uma little cow (vaquinha, como vocês dizem).

Vai acabar, as well, aquela vantagem de, em voos pouco ocupados, os passageiros poderem se espalhar pelas poltronas vazias. Os viajantes serão aglomerados em um único setor e terão de pagar caro pelo privilégio de mudar de lugar para uma fila de assentos livres.

Enfim, my friend, é prudente estar preparado para voar sempre com dinheiro no bolso. Até que, em um dia qualquer de iluminação, alguém reinvente o conceito de conforto incluído na passagem. E faça, com ele, o maior sucesso. Don"t you agree?"

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ESTEVE EM 132 PAÍSES E 7 TERRITÓRIOS

ULTRAMARINOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.