Quando o cotidiano fala diretamente com você

miles@estadao.com

Mr. Miles, O Estado de S. Paulo

11 Abril 2017 | 03h00

Nosso cavalheiresco correspondente já encomendou as rosas colombianas que, em todos os anos, ele entrega para sua monarca na data do aniversário, o próximo dia 21 de abril. Para quem não sabe, as rosas colombianas são enormes, têm cores muito peculiares e duram uma eternidade. “É um compromisso que tenho com a rainha (e comigo mesmo, of course), há mais de 60 anos. Tenho a pretensão de afirmar que ela sempre ficou feliz". A seguir, a pergunta da semana:

Mr. Miles: basta ler um guia de boa qualidade para saber que atrações turísticas merecem ser visitadas em qualquer país. O senhor, que viaja muito, poderia me dizer o que mais é indispensável fazer em um primeiro contato com um novo lugar? Celiana Armandez Giggo, por e-mail

Well, my dear, sua pergunta esconde os melhores segredos de um viajante. Yes, of course: é preciso visitar os chamados protagonistas de uma cidade ou de um país. Os monumentos pelos quais são conhecidos, as paisagens que deles até se tornaram lugares-comuns. Como ir, for instance, a Veneza e não observar, com detalhes, uma gôndola? Ou visitar o Egito passando ao largo das Pirâmides de Gizé?

Na minha humilde opinião de eterno peregrino, however, o melhor jeito de conhecer um lugar é reviver, alhures, o seu próprio cotidiano, mas, dessa vez, prestando muita atenção – já que o que se torna rotina em casa acaba incorporado à cabeça como mais um fio de cabelo em um vasta juba.

Vou tentar lhe dar algumas dicas, lembrando que elas podem variar muito de país para país e de acordo com seu próprio entendimento do idioma em questão. Comece pelo dinheiro local, que você vai adquirir na chegada. Veja seus desenhos, suas cores, suas referências. As cédulas costumam mostrar heróis nacionais, exibir as riquezas da natureza de cada lugar e falam até da alma do povo. Na Polinésia francesa, por exemplo, o franco local é colorido com toda a variedade da natureza luxuriante daquele arquipélago. O escudo português, em tempos salazarianos, era triste e melancólico como um fado. E as falecidas liras italianas tinham tantos zeros que era difícil contar. Nada parecido, by the way, com uma nota que tenho guardada em casa. Valor? 100 trilhões de dólares! Do Zimbábue, unfortunately. A maior já emitida no planeta, durante a hiperinflação de 2008. Com ela, however, mal se comprava um pacote de biscoitos no supermercado.

E, falando em supermercados, dear Celiana, não deixe de entrar em um deles, não importa onde. Haverá, of course, produtos globalizados nas prateleiras. Mas grande parte dos itens à venda dirão muito sobre o modo como os habitantes do lugar se alimentam, limpam suas casas e fazem sua higiene. Entrar em um supermercado, de certa forma, é como entrar na área íntima de uma residência local. Uma espécie de xeretagem... 

Indispensável é comprar um jornal, mesmo que você não entenda patavinas! O aspecto do jornal, o peso que se dá a cada seção, tudo é informação privilegiada sobre quem vive na cidade ou no país. Se, for instance, você encontrar oito páginas sobre críquete e nenhuma menção ao futebol, é melhor não citar Pelé ou Neymar como referências. Os mercados também são indispensáveis. Neles você verá a fartura ou a escassez de cada povo. As frutas que se come por ali, as carnes, os peixes. E, of course, a maneira como vendedores e compradores se entendem.

É uma mágica! No cotidiano (muito mais do que na atração turística) é a vida que fala diretamente com você. Nas roupas que as pessoas usam, no jeito que elas rezam (vá a um serviço religioso, seja lá qual for a crença local), e nas coisas que fazem nas praças. Escolha um banco em uma praça movimentada. Você vai ver se as pessoas têm pressa ou se são serenas. Verá como brincam as crianças, como se comportam os idosos, o quanto riem ou são silenciosas aquelas populações. E, last but not least, conforme o lugar onde estiver, você terá a chance de olhar (ainda que discretamente) como agem os enamorados. E assim, my dear, sua viagem será, sem dúvida, muito melhor.

MR. MILES É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 312 PAÍSES E 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS.

Mais conteúdo sobre:
Viagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.