Chip East/ Reuters
Chip East/ Reuters

Restrições alimentares a bordo

Opções convencionais servidas nos aviões podem representar risco à saúde de passageiros alérgicos e um dilema ético ou religioso para certos viajantes. Entenda as refeições especiais

Mônica Nóbrega, O Estado de S. Paulo

13 Fevereiro 2018 | 04h50

Saladinha num pote minúsculo, “frango ou massa?”, sobremesa e aquele pãozinho meio duro que é o que tem para o momento. O cardápio médio de uma refeição em voos longos, que não é nenhuma experiência gourmet para passageiros em geral, pode representar um problema de saúde (e não apenas de sabor) para viajantes com alergias e intolerâncias alimentares (como a glúten e lactose), ou um conflito ético para aqueles que cultivam restrições culturais em relação à comida, caso de veganos e de judeus ortodoxos e sua dieta kosher. 

Leia mais: Como enfrentar o medo de avião

Antes de achar que vai passar fome no voo, saiba que companhias aéreas em geral oferecem opções de alimentação para estes públicos específicos em qualquer classe de passagem. Mas é precisa saber o que, como e quando pedir. Tire suas dúvidas. 

1. Quais opções de alimentação especial existem a bordo dos voos comerciais? 

Os sites das principais companhias aéreas que fazem voos do e para o Brasil listam entre as opções de refeições especiais os cardápios vegetariano com ovo e leite, vegano, sem glúten, sem lactose, pobre em calorias, pobre em sal, adaptada a diabéticos, kosher e halal. Empresas asiáticas costumam ter ainda os menus vegetariano asiático e hindu. Atenção, alérgicos: toda a comida de bordo pode conter traços de castanhas. 

A Gol é exceção: o site da empresa avisa que não serve alimentação especial para “crianças, lactovegetarianos, vegetarianos estritos e veganos” em seus voos internacionais. Para quem tem intolerância ao glúten, a Gol tem “pratos especiais nos voos com origem e destino Argentina”. 

2. Como e quando solicitar as refeições especiais? 

Os sites das aéreas listam os tipos de menus especiais disponíveis e em quais trechos são servidos (veja links abaixo). Faça a reserva com antecedência mínima de 72 a 24 horas (confira no site da empresa) e informe no balcão do check-in que o pedido foi feito. Detalhe: as companhias aéreas não aceitam customização dos cardápios (como tirar ou acrescentar ingredientes), nem combinações de refeições especiais (sem glúten e sem lactose, por exemplo). 

3. Há regras específicas para a alimentação infantil a bordo? 

Menus infantis são servidos para crianças de até 8 a 12 anos, dependendo da companhia aérea. Acima desta idade, a comida é a mesma dos adultos; casos especiais também devem ser reservados com antecedência. As baby meals (refeições para bebês) de até 2 anos são potinhos de comida industrializada – a alternativa é levar de casa alimentação para todo o trajeto. O embarque, inclusive de leite e sucos, é permitido. 

4. E se nenhuma das opções oferecidas pelas companhias aéreas me atender? 

Passageiros podem levar a própria comida a bordo – com exceção de bebidas alcoólicas – acondicionada em embalagens bem fechadas, à prova de vazamento e cheiros. Nos voos internacionais, todos os alimentos levados na cabine do avião devem ser consumidos a bordo. Isso porque cada país tem suas próprias regras para entrada de produtos frescos – no Brasil, o Vigiagro proíbe a entrada de itens de origem vegetal ou animal; industrializados estão liberados. Restos devem ser deixados no avião: existem protocolos para a destinação dos resíduos de bordo de modo a evitar que o lixo da aeronave dissemine pragas e doenças. Mais detalhes: bit.ly/vigiagroviagem.

Leia mais: Febre amarela: o que muda para viajantes

Reserve sua refeição:

Air France 

American

Avianca

Azul 

British

Copa

Delta

Emirates

Gol

KLM

Latam

Lufthansa

South African

Swiss

TAP

Turkish

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.