Thiago Momm/Arquivo Pessoal
Thiago Momm/Arquivo Pessoal

Simpático roteiro cultural em dois distritos à beira-rio

Depois do aglomerado de pontos turísticos no centro de Moscou, outro combo de atrações espera o visitante nos distritos de Zamoskvorechie e Khamovniki, mais próximos ao Rio Moscou e à Ilha Bolotny. Trata-se de uma área que forma, em cerca de 15 quadras, um roteiro com museus, galerias, igrejas, monastérios, bares e restaurantes.

MOSCOU, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2012 | 02h09

Ali ficam, por exemplo, o Museu Pushkin de Belas Artes (museumpushkin.ru/eng), o mais importante de arte estrangeira da cidade, e a Galeria Tretyakov (tretyakovgallery.ru/en), a melhor compilação de arte russa do país. Assim como a Catedral de Cristo, o Salvador, construída para comemorar a vitória de Alexandre I sobre Napoleão e destruída por Stalin para dar lugar a um palácio e a uma estátua de Lenin gigantescos. Mas as obras nunca saíram do papel e o lugar manteve, por cinco décadas, a maior piscina do mundo. Em 1997, no 850.º aniversário de Moscou, foi inaugurada a catedral reconstruída.

Se estiver de frente para ela, vire à esquerda para se deparar com a controversa estátua de Pedro, o Grande. A peça mostra o czar a bordo de um navio de 94,5 metros de altura, discreto na paisagem como um panda se divertindo em uma jacuzzi.

Na parte oeste da Ilha Bolotny fica o complexo Outubro Vermelho, antiga fábrica comunista de chocolates e, desde 2010, abrigo do universo upscale moscovita. Ali estão institutos e galerias de arte, cinema, fotografia, mídia, arquitetura e design, além de lojas, cafés, restaurantes, academias, um minihotel e bares. No Rolling Stone, boa sorte com o face control.

Fora dessa área e do Kremlin há atrações dispersas. Uma delas, que demanda uma viagem de mais de meia hora de metrô, é o Grande Palácio de Madeira, nova versão do construído pelo czar Alex no século 17 e destruído por Catarina, a Grande em 1768. Sem um único prego, o palácio impressiona tanto pela parte externa, com arrojados domos verdes, como pela interna, onde se misturam ouro, pinturas, arabescos e artigos originais.

Aproveitando o metrô, circule por algumas das famosas estações moscovitas decoradas com lustres, estátuas, pinturas e adornos. Não perca, especialmente, as estações Praça da Revolução, Mayakovskaya, Mendeleevskaya e Prospect Mira. / T.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.